finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Produtor do MT pode apelar para moratória

As entidades de representação dos produtores rurais de Mato Grosso estudam a possibilidade de apelar para a lei que garantiria uma moratória de 180 dias para o pagamento de suas dívidas junto às indústrias fornecedoras de insumos, principalmente fertilizantes, defensivos agrícolas e sementes. O assunto foi discutido na última sexta-feira, durante a Agrishow Cerrado, em Rondonópolis, numa reunião das onze entidades que compõem o Fórum Rural do Mato Grosso, criado em março para "uniformizar o discurso e consolidar uma pauta de reivindicações do setor".A proposta foi apresentada durante o encontro pelo economista Paulo Rabelo de Castro, que citou a Lei 11.101, de 9 de fevereiro de 2005, que trata da "recuperação judicial, extrajudicial e da falência do empresário e da sociedade empresária". Segundo o economista, os produtores rurais poderiam seriam ser enquadrados nessa lei considerando o caráter empresarial da atividadeA medida voltará a ser avaliada na próxima sexta-feira, quando o Fórum Rural se reunirá na sede da Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), em Cuiabá. AnáliseO secretário de Desenvolvimento Rural de Mato Grosso, o produtor Clóves Vettorato, disse à Agência Estado que a alternativa de recorrer à moratória deve ser bem analisada, para saber quais serão as conseqüências e impactos. Além disso, ele explicou que está deve ser uma decisão nacional, pois não pode ficar restrita aos produtores do Estado. Na opinião de Vettorado, o pacote de medidas anunciadas pelo governo na semana passada ameniza mas não resolve o problema, pois a maior parte da dívida do setor, cerca de dois terços, se refere aos adiantamentos concedidos pela iniciativa privada. Dívidas e pacote do governoPara resolver o problema com os bancos e dar sustentação aos preços, o governo vai apoiar a comercialização e renegociar R$7,7 bilhões das dívidas de custeio e investimento contraídas nesta safra, além de prorrogar o pagamento de parcelas vencidas e vincendas do financiamento de produtos com problemas de comercialização por 12 meses.Vettorato explica que a prorrogação das dívidas apenas "empurra a crise para mais adiante", pois o problema está na perda de renda que o setor vem enfrentando nos últimos dois anos, provocada recuo do dólar entre o plantio e a colheita. O produtor cultivou com um dólar mais alto do que o valor cotado na hora da comercialização, o que gera um descompasso entre o custo de produção e o preço recebido.SerasaPela orientação do Fórum Rural de Mato Grosso, os produtores não devem temer a inscrição do nome no Serasa, "ao contrário, é preciso aumentar o índice de inadimplência no Banco Brasil". Segundo Homero Pereira, em dezembro de 2005, o índice de devedores era de 23%, portanto, 77% haviam quitado as parcelas. "O Pesa (Plano Especial de Saneamento de Ativos) e a securitização, de 95 só saíram porque havia um rombo nas contas do Banco do Brasil". DívidaPelos cálculos da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o montante global das dívidas rurais, incluindo setor privado e público, está estimado hoje em mais de R$ 13 bilhões. Desse total, R$6 bilhões são resultado da inadimplência da securitização; R$1,4 bilhão do Plano Especial de Saneamento de Ativos (Pesa); R$2,8 bilhões dos fundos constitucionais e, ainda, R$ 291 milhões referentes a débitos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.