Produtor tem fazenda ocupada por posseiros há 3 anos

Há três anos, a Fazenda 1200, localizada em Ourilândia do Norte (PA), do pecuarista capixaba Eutimio Lippaus, foi ocupada por famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). "Tudo começou com a invasão na propriedade vizinha, há oito anos. Há três anos invadiram a minha e já estão vendendo lotes da minha terra", disse Lippaus.

SUZANA INHESTA, Agencia Estado

28 de agosto de 2012 | 11h09

A área total da propriedade é de aproximadamente 6 mil hectares, dos quais metade de pastagem. "Já tive um rebanho de quase 12 mil cabeças e hoje tenho 5,6 mil cabeças. Estou perdendo meus animais porque ou eles são roubados ou mortos ou não têm mais pasto para comerem, porque os posseiros estão queimando toda a minha fazenda", disse o pecuarista.

Segundo ele, as autoridades da região já foram avisadas da invasão e dos atos cometidos pelos posseiros, mas nenhuma providência foi tomada. "O superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) uma vez disse que iria mandar polícia, mas nunca veio ninguém. Se você precisa da Justiça, aqui não tem."

Lippaus vive com a mulher na fazenda. Os filhos estão no Espírito Santo à frente da Distribuidora Lippaus Schincariol, que presta serviços de transporte à cervejaria. O pecuarista teve de cercar sua casa com muros para sua segurança e também proteção contra o fogo, além de ter hoje 12 cachorros.

A Agência Estado não conversou com as pessoas que invadiram a fazenda 1200, mas agentes do mercado dizem que a fazenda de Lippaus está regularizada. Os invasores, no entanto, podem ter encontrado alguma "brecha" na legislação para justificar a ocupação, argumentam. Na região, Lippaus é conhecido por produzir gado "bom" para abate e de também ser bom pagador para seus fornecedores. Um dos principais compradores dos animais de Lippaus é o frigorifico Frigol, que entrou em recuperação judicial em julho de 2010, mas que, segundo o pecuarista, está operando e pagando em dia pelos animais adquiridos (em sua maioria à vista).

Questionado se, por conta dessa situação, poderia voltar para o Espírito Santo e desistir da atividade, Lippaus diz ainda não saber. "A Vale se interessou em comprar a minha fazenda, mas ela não adquire propriedades invadidas. Se vou voltar para o Espírito Santo, nem sei dizer", desabafou o pecuarista de 75 anos e 25 anos na atividade.

O Rally da Pecuária, organizado pelas consultorias Bigma e Agroconsult, passará por nove Estados brasileiros, percorrendo cerca de 40 mil quilômetros, onde se concentra 75% do rebanho e 85% da produção de carne bovina do País. Nessa edição, ocorrerão também encontros com produtores, além dos eventos já programados.

Hoje, a Equipe 2 percorrerá o trecho de São Félix do Xingu (PA) até Xinguara (PA) novamente, percorrendo cerca de 252 quilômetros. Até domingo (2) a expedição passará pelas cidades de Santana do Araguaia (PA), Querência (MT), Água Boa (MT), Primavera do Leste (MT), encerrando trajeto em Cuiabá (MT).

*A repórter viaja a convite da Agroconsult e Bigma

Tudo o que sabemos sobre:
Rally da Pecuáriaposseiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.