Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Produtoras se adaptam à era digital

Mudança tecnológica abre mercado, seja para produção de filmes para TV, animações, internet ou celulares

Marili Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2020 | 00h00

O mercado de produção de filmes publicitários sempre se concentrou nos comerciais de 30 segundos. Com o avanço da era digital, essa tradição começa a mudar. As maiores produtoras de filmes expandiram suas atividades no último ano e começaram a abrir áreas para a produção digital, onde criam animações para meios digitais ou desenvolvem projetos que não se limitam aos anúncios para a TV aberta.''''O papel das produtoras junto aos anunciantes está mudando'''', diz Lô Politi, sócia e diretora da Maria Bonita Filmes, empresa que abriu uma divisão, a Maria Bonita Coisas, para atender à demanda do mercado. ''''Os anunciantes descobriram que comerciais de 30 segundos podem ser uma plataforma cara para atingir o público e buscam alternativas.''''Denise Gomes, sócia e produtora executiva da Bossa Nova Filmes, abriu a Be Bossa Nova, dedicada a criar projetos mais abrangentes que os tradicionais filmes publicitários. ''''As produtoras estão se organizando para oferecer núcleos de conteúdo mais sofisticados'''', diz. ''''Com o avanço da internet e do celular, os caminhos da comunicação se abriram e hoje todos os grandes anunciantes querem iniciativas que valorizem suas marcas ou outros canais, como a internet'''', completa Denise.Ao perceber essa oportunidade, o sócio e produtor-executivo da Margarida Flores e Filmes, Paulo Roberto Schmidt, constituiu o Núcleo de Novas Mídias para atuar em projetos de vídeo interativo e na web 2.0. Já realizou 70 projetos de comunicação integrados a ações na internet. ''''Há dois anos tínhamos cinco profissionais na área'''', diz. ''''Hoje temos 20 porque as agências de propaganda não estão preparadas para criar para outras plataformas.''''Uma das grandes vantagens dos filmes na internet é o custo bem inferior ao dos comerciais de tevê, que são rodados em película. Para a web, usa-se o vídeo, que já conta com tecnologia para proporcionar maior profundidade na filmagem. ''''A escolha de película ou vídeo depende apenas do tamanho da fantasia que o anunciante precisa construir para vender seu produto'''', diz Denise. ''''No vídeo, a realidade fica mais crua e a publicidade é sonho.''''A abertura desse mercado explica não só o aparecimento de produtoras, como a Gandaia Filmes, como fusões ou aquisições de empresas tradicionais. ''''Em breve, vamos fechar negócio com uma produtora carioca'''', diz Edu Cama, diretor da Dínamo Filmes, há dez anos no mercado.Um questionamento recorrente refere-se à mudança de comportamento com a estréia das transmissões digitais de TV, a partir de 2 de dezembro. ''''A tecnologia digital permitirá ao telespectador assistir à programação que quiser, no horário que quiser, assim como pular o intervalo comercial'''', diz Denise. ''''Emissoras e anunciantes terão de investir mais em conteúdo.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.