finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Produtores buscam novos equipamentos e lucro maior

Com lucro maior, fazendeiros melhoram o maquinário e se preparam para safra recorde este ano

Chico Siqueira, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2011 | 00h00

O ano passado não foi bom para a produção de citros, mas a família Ascêncio, de Novo Horizonte (SP), conseguiu o suficiente para realizar o sonho de comprar um sítio de 27 hectares do vizinho. "Foi financiado. Vamos pagar em quatro ou cinco anos", diz Eduardo Ascêncio.

Em 2011, a família quer renegociar os preços com a indústria. O contrato estabelece o valor de US$ 6 por caixa. "Sabemos que os preços melhoraram, então não é justo recebermos um preço desvalorizado. Esperamos ter boas notícias em 2011", diz Eduardo. A família possui 27 mil pés de laranja no Sítio Santa Alice, de 120 hectares.

Outro que espera melhores notícias para 2011 é o fazendeiro Armando Gottardi Filho, de Araçatuba (SP), que reclamou da seca que atingiu 1,2 mil hectares de cana plantados em fazendas no Noroeste de São Paulo, reduzindo a produtividade e prejudicando o desenvolvimento das 7 mil cabeças de gado da fazenda de Rondonópolis (MT). "Por conta do clima, a safra não foi tão lucrativa, mas deu para aumentar nossa renda. Espero que as chuvas de 2011 sejam regulares para podermos produzir mais", diz.

Mesmo sem revelar números, Gottardi gastou cerca de R$ 220 mil com a compra de dois tratores vendidos na Feira de Bionergia (Feicana), encerrada quinta-feira, em Araçatuba. Os tratores servirão para renovar parte da frota de oito máquinas.

Quem também decidiu investir na frota de tratores e na aquisição de terras foi o agricultor Gustavo Crevelari. Para ele, a safra passada foi boa, rendeu cerca de R$ 1,2 milhão de lucro com a produção de 30 mil toneladas de cana. "Esperamos que a de 2011 seja melhor ainda", disse Crevelari, enquanto escolhia um trator de R$ 103 mil. "Vou usá-lo para aumentar nossa frota", diz. Outra parte do lucro foi investida na expansão de área do plantio.

Na Feicana, o comércio comprovou o aumento do poder de compra dos agricultores. O produtor Renato Junqueira pagou R$ 102 mil numa caminhonete de luxo. "Estou realizando este sonho. Isso só foi possível porque a atividade agrícola melhorou", afirma. Nos estandes de máquinas agrícolas, o boom da agricultura foi confirmado. A Valtra, fabricante de tratores, estima um aumento de 20% no faturamento da Feicana deste ano, em comparação com 2010.

O ano passado teve recorde na venda de maquinário agrícola. Foram vendidos 60.941 máquinas e 53.397 tratores, e a expectativa para 2011 começa a ser superada. "A gente esperava um ano bom, mas em janeiro já percebemos que o ano será ótimo. Esperávamos uma acomodação das vendas, o que não ocorreu", diz José Francisco Neto, coordenador de 16 lojas da Valtra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.