Sergei Karpukhin|Reuters
Sergei Karpukhin|Reuters

Produtores da Opep e de fora do grupo planejam acordo sobre produção de petróleo

Reunião deve acontecer em 17 de abril e pretende limitar a produção; com a notícia, preço da commodity fechou em alta nesta quarta-feira

O Estado de S.Paulo

16 de março de 2016 | 11h07

DOHA - Integrantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) planejam se reunir com a Rússia e outros produtores de fora do grupo em Doha, capital do Catar, em 17 de abril, para negociar um acordo com o objetivo de limitar a produção da commodity, afirmou hoje o Ministério de Petróleo do Catar.

Discussões estão em andamento há semanas para a realização de um encontro de membros da Opep, como Arábia Saudita e Venezuela, e grandes produtores que não pertencem ao cartel, como Rússia. Em 16 de fevereiro, representantes sauditas, russos, venezuelanos e do Catar chegaram a um acordo preliminar para congelar a produção nos níveis de janeiro, contanto que outros produtores relevantes aderissem ao pacto. O congelamento da produção deverá ser implementado mesmo sem o Irã, que tem se recusado a participar do acordo.

Nas últimas semanas, os preços do petróleo tiveram forte recuperação e avançaram para cerca de US$ 40 o barril, depois de recuarem a menos de US$ 27 o barril em janeiro, tocando os menores níveis em mais de uma década e acumulando queda de quase 75% desde junho de 2014.

Segundo o Ministério do Petróleo do Catar, a iniciativa de Doha "estabeleceu um piso" para as cotações. "Isso gerou um amplo e intenso diálogo entre todos os produtores, em meio à convicção de que os preços atuais do petróleo não são sustentáveis," diz o comunicado. O Catar, que está no comando da presidência rotativa da Opep neste ano, está coordenando os esforços para estabilizar os mercados de petróleo.

Também no comunicado, o ministério diz que os preços baixos do petróleo causaram uma "queda inédita nos investimentos da indústria petrolífera, que começou de fato a afetar a produção de petróleo mundialmente". As recentes quedas na produção "deverão continuar", segundo o Catar.

Cotação. Após a divulgação do encontro, os preços do petróleo reagiram. O petróleo WTI para abril fechou em alta de 5,83%, a US$ 38,46 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). O Brent para maio avançava 4,10%, a US$ 40,33 o barril, na ICE, em Londres.

Os contratos também recebiam suporte após a divulgação dos dados no fim da terça-feira do American Petroleum Institute, um grupo do setor. O relatório mostrou alta de 1,5 milhão de barris nos estoques de petróleo dos EUA na última semana. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal preveem que o relatório oficial do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) mostre um aumento de 3,3 milhões de barris de petróleo nos estoques. Como o relatório do API mostrou alta menor, o resultado poderia vir abaixo do esperado e essa possibilidade beneficia os contratos nesta manhã. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.