REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Produtores brasileiros de alumínio optam por sobretaxa dos EUA para não reduzir volume exportado

Em março 2018, o governo americano permitiu que os países aos quais pretendia impor sanções escolhessem por sobretaxa de importação de 10% ou por cota máxima entradas para os produtos

Victoria Abel, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2018 | 17h30

São Paulo - O governo Trump anunciou ontem (31) a imposição de tarifas de importação ao aço e alumínio de diversos países. O decreto americano mantém a isenção de tarifa ao aço brasileiro, que, em compensação, terá uma cota máxima de exportação para os EUA. O mesmo, no entanto, não acontece para o alumínio daqui. O setor preferiu optar pela sobretaxa a ter de limitar seu número de exportações. Aplicada, a tarifa de importação americana poderá chegar a 16%, segundo a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL).

Em março 2018, o governo americano deu duas alternativas para os países aos quais pretendia impor sanções. Ou escolhiam por uma sobretaxa de importação de 10% ou por uma cota máxima entradas para os produtos. "Se tivéssemos escolhido a cota de exportações, até estaríamos mais competitivos do ponto de vista do preço, mas o volume exportado seria muito pouco e iríamos praticamente abandonar o mercado americano", conta o presidente-executivo da ABAL, Milton Rego.

Conforme explica, o cálculo imposto pelo governo americano para se estipular o máximo de exportações é a média das saídas dos produtos para o país de 2013 a 2017. De acordo com Rego, essa média seria muito baixa, já que no início desse período o Brasil exportava pouco alumínio para os EUA. Com esse número os empresários não conseguiriam cumprir contratos e perderiam muita entrada de alumínio brasileiro no mercado americano. Dessa forma, o setor decidiu escolher pela sobretaxa e manter os acordos comerciais com seus clientes.

À sobretaxa de 10%, contudo, se acrescentará um valor de 3% a 6%, referente a isenção que o alumínio do Brasil tinha pelo Sistema Geral de Preferências (SGP), que será eliminada. O presidente-executivo da ABAL afirma que essa diferença nos custos, gerada pela taxa, provavelmente refletirá nos preços lá fora, já que dificilmente o empresário brasileiro conseguirá bancar o reajuste.

"Com isso nossos preços no mercado americano aumentarão mais ainda e poderemos ser mais impactados em comparação a outros países", diz Milton Rego. O SGP gerava uma redução das tarifas de exportação para alguns produtos, normalmente para países em desenvolvimento.

Consequências. "Nossa maior preocupação é com a sobreoferta que será gerada. O mercado brasileiro também corre o risco de ser inundado por alumínio de outros países e isso só vai acirrar ainda mais a competição internacional.", ressalta Rego. O setor exporta cerca de 40 mil toneladas de alumínio para os EUA.

O presidente-executivo, entretanto, acredita que mesmo com as altas de preços, o mercado americano continuará a comprar do Brasil e de outros países, já que internamente o que é produzido pelos EUA não seria suficiente. "Montar um parque industrial de alumínio leva tempo", acrescenta Rego sobre a capacidade de produção de alumínio americana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.