Produtores divulgam carta com reivindicações ao governo

Os representantes do agronegócio da Região Centro-Oeste do País divulgaram há pouco uma carta com pedidos para o governo federal. Eles reivindicam medidas para suavizar a crise pela qual deve passar a agricultura este ano. O documento chamado "Carta do Centro-Oeste" será encaminhado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Além de pedir prorrogação das dívidas de custeio e o não pagamento das parcelas em 2005 e 2006, os produtores pedem a liberação R$ 2,4 bilhões para garantia de preço que suporte o período de comercialização dos produtos agropecuários, que pressionam as cotações. Eles sugerem o lançamento de contratos de opção "que permitam ao produtor vender determinado produto ao governo por um preço pré-estabelecido", além de leilões de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) e deslocamento dos estoques oficiais de milho para a Região Nordeste e para o Estado de Amazonas. O objetivo dessa última proposta é atender a necessidade de pequenos e médios produtores de aves, suínos e piscicultores dessas áreas. Os produtores reivindicam, ainda, que o governo interfira nos negócios acertados entre produtores e tradings. O setor quer a prorrogação dos vencimentos das dívidas com as indústrias por um período de 180 dias. Em relação à MP 232, os produtores pedem a "revogação imediata da MP". Eles também querem correção dos preços mínimos de garantia, pelo índice de inflação. "A alta dos preços de insumos e a elevação dos custos de produção não compensam os preços atuais de garantia estabelecidos pelo governo", informam os produtores.A exemplo dos pecuaristas que ameaçam os frigoríficos, os agricultores também se mostram dispostos a acionar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra os fabricantes de máquinas, equipamentos e insumos agrícolas. Os produtores argumentam que a concentração faz com que as indústrias combinem um preço único de venda, prejudicando o produtor. Assinam o documento o secretário de Agricultura do Goiás, Roberto Egídio Balestra; o presidente da Federação da Agricultura de Goiás (Faeg), Marcel Felix Caixeta; o prefeito de Rio Verde, Paulo Roberto Cunha; o presidente da OCB em Goiás, Antonio Chavaglia; o presidente da Federação da Agricultura de Mato Grosso (Famato), Homero Alves Pereira, entre outros. O palanque em Rio Verde, onde ocorre a manifestação dos produtores, está repleto de autoridades. Além do ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, participam da manifestação, os governadores de Mato Grosso, Blairo Maggi; do Tocantins, Marcelo Miranda; de Goiás, Marconi Perillo; e do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto. Parlamentares de Goiás, como o deputado federal Ronaldo Caiado, a senadora Lúcia Vânia, o senador Demóstenes Torres, também participam da manifestação. Estão presentes, ainda, os senadores Tasso Jereissati, Arthur Virgílio e Sérgio Guerra, que é o presidente da recém-criada Frente Parlamentar de Agricultura do Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.