Produtores do Brasil querem medidas para limitar vinhos argentinos

O presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Viticultura, Vinhos e Derivados, Hermes Zaneti, classificou como "agressão crimimosa contra a produção nacional" a falta de regras para importação de vinhos da Argentina. O setor defende a adoção de medidas para limitar a entrada no País de vinhos de baixa qualidade produzidos na Argentina e no Chile, assunto que será tratado hoje, em reunião da câmara, no Ministério da Agricultura. De acordo com ele, o vinho importado chega ao País a preços muito baixos, prejudicando a produção nacional. O ingresso formal tem crescido nos últimos anos. Em 1996, foram importados 600 mil litros de vinhos só da Argentina. Em 2003, esse número subiu para 5,8 milhões de litros. No ano passado, foram 11,2 milhões de litros. Considerando os primeiros meses do ano, as importações devem somar 20 milhões de litros de vinho em 2005. "Esses são números das vendas formais. O contrabando deve superar em muito essas quantidades", comentou. As indústrias de vinhos defendem duas ações para conter as importações. A primeira, explicou Zaneti, é que o governo analise os vinhos importados na fronteira do País. Para bebida com valor inferior a US$ 20 por litro, a avaliação técnica poderia restringir a entrada no País de produto de baixa qualidade. Além disso, o setor defende a aplicação de imposto ad valorem para o vinho importado, inclusive aquele fornecido por países do Mercosul. As propostas serão debatidas pelos integrantes da câmara setorial nesta terça-feira. No dia seguinte, serão encaminhadas ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Zaneti informou que o consumo brasileiro de vinhos finos soma cerca de 60 milhões de litros por ano. A indústria nacional tem condições de atender a metade dessa demanda. "Por isso mesmo, não somos contrários à importação de vinhos finos. Só queremos algum tipo de proteção comercial", comentou. Só no Rio Grande do Sul, maior produtor brasileiro de uva e vinho, cerca de 15 mil famílias estão ligadas à atividade. Em 2004, o país produziu 1,281 milhão de toneladas de uvas, representando aumento de 21,51% em relação ao ano anterior, segundo a pesquisadora Loiva Maria Ribeiro de Mello, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Uva e Vinho. Do total, 696.557 toneladas foram cultivadas no Rio Grande do Sul.

Agencia Estado,

03 Maio 2005 | 18h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.