Produtores gaúchos cobram maior acesso a crédito rural

Presentes à solenidade de anúncio do Plano Safra 2012/13, em Brasília, representantes do setor produtivo do Rio Grande do Sul comemoraram o aumento dos recursos a serem disponibilizados, mas reclamaram maior facilidade para acessar o crédito. Renato Rocha, presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do RS (Federarroz), destaca o alto nível de endividamento dos produtores do cereal, o que pode dificultar a obtenção dos recursos. "Sem dúvida, o Plano Safra tem tido o crescimento gradual na oferta de crédito, mas cada vez menos o produtor tem acesso a ele", destacou.

TÁSSIA KASTNER, Agencia Estado

28 de junho de 2012 | 13h22

O dirigente citou dados do Banco Central que mostram que entre a safra 2008/2009 e 2010/2011 houve uma redução de 32% nos contratos de crédito dos arrozeiros gaúchos. A Federarroz calcula que os produtores tenham um passivo de R$ 3 bilhões que precisa ser renegociado.

A opinião é compartilhada pela Federação da Agricultura do Estado (Farsul), segundo o diretor administrativo da entidade, Francisco Schardong. Para ele, o volume de crédito é bom e dá atenção ao médio produtor, mas não resolve o difícil acesso aos recursos. "A cultura mais tomadora de crédito no Estado é a do arroz, mas hoje só 34% dos produtores podem ter acesso a esses recursos", disse Schardong.

Para Rui Polidoro, presidente da FecoAgro, o plano é positivo e condensa as posições firmes do governo sobre a importância da agricultura para a economia do País. Polidoro destacou a elevação do crédito para as cooperativas, nas linhas Procap-Agro e Prodecoop, mas lamentou a redução tímida nas taxas de juros para capital de giro das cooperativas, de 9,5% para 9%. "Os juros ainda estão acima da expectativa", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
PlanoSafraRS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.