Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Produtos argentinos começam a ser liberados na fronteira

Entrada se tornou mais lenta desde a decisão do Brasil de não liberar automaticamente algumas mercadorias

Sandra Hahn, da Agência Estado,

29 de outubro de 2009 | 17h17

Desde esta última quarta-feira, 29, aumentou a expedição de licenças de importação para produtos provenientes da Argentina no Porto Seco rodoviário de Uruguaiana, fronteira oeste do Rio Grande do Sul, mas a demora na liberação do documento ainda sobrecarrega a área disponível no local para os caminhões que transportam os produtos.

 

Veja também:

linkGoverno aposta em recuo argentino 

 

Na tarde desta quinta-feira, o local tinha 755 caminhões, dos quais 534 veículos transportavam mercadorias de importação e os demais, de exportação. A maior parte dos veículos para importação aguardava a emissão da licença pela Secretaria de Comércio Exterior, processo que se tornou mais lento desde a decisão do governo brasileiro de não conceder o documento de forma automática a alguns produtos vindos da Argentina.

 

O atendimento foi ampliado em aproximadamente uma hora para melhorar o fluxo de despacho, conforme dados obtidos com a Receita Federal no Porto Seco. O horário de funcionamento passou das 8h às 20h ou 20h30, em vez de terminar às 19h. O local foi dimensionado para acomodar 560 vagas e habitualmente cerca de 150 caminhões aguardam a cada dia a liberação das cargas que entram ou saem do País - e dependem da anuência de vários órgãos como Secex, Receita e Ministério da Agricultura. O porto segue uma lista de prioridades na liberação de alguns tipos de cargas, como inflamáveis e perecíveis.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilArgentinabarreiracomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.