'Profissionais querem alguém que valorize o seu desempenho'

Relacionamento com o gestor é um dos motivos que levam o colaborador a optar por continuar ou não na companhia

O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2012 | 03h10

A possibilidade de conseguir uma promoção e um aumento salarial pesam na decisão de um profissional que avalia mudar ou não de emprego. Mas, para especialistas, o grande retentor de talentos continua sendo a atuação de um gestor eficiente.

"As empresas precisam investir em executivos que saibam gerir e reter talentos. A boa relação com a chefia vale mais do que uma promoção, em muitos casos. Os profissionais querem alguém que valorize o seu desenvolvimento e, principalmente, reconhecimento pela sua atuação", diz o sócio da Alliance Coaching, Pablo Aversa.

Opinião semelhante tem o diretor de educação da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Luiz Edmundo Rosa. "Os chefes são os grandes responsáveis por aproveitar ou não um talento. Se o profissional não está satisfeito com a chefia direta, certamente vai começar a ver o que o mercado pode lhe oferecer e buscar uma alternativa para mudar de emprego", afirma.

Para ele, as empresas precisam investir em uma boa gestão e na valorização dos funcionários antes de ir buscar no mercado alguém para assumir uma vaga de destaque na companhia.

"Toda vez que a empresa deixa de aproveitar um talento interno, emite a mensagem para os demais profissionais de que as oportunidades estão lá fora. Se o funcionário sabe que a empresa tem um plano de carreira e que há potencial de crescimento, ele acredita que vale a pena ficar."

Foi o que fez o gerente comercial da Concrete Solutions, Frederico Belisario, de 31 anos. Ele recusou duas propostas de emprego por acreditar no potencial da companhia. "A empresa valoriza o crescimento dos funcionários. Muitos viram sócios e têm participação no negócio. Meu diretor me apresentou planos para a minha carreira e o quanto eu poderia crescer na empresa, por isso eu resolvi ficar."

Depois de atuar como desenvolvedor e liderar projetos, há três meses, Belisario assumiu a gerência da unidade da empresa em São Paulo. "Estou satisfeito pela confiança no meu trabalho, pelo desafio e por estar abrindo novos horizontes", comenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.