Profissional pode atuar até como gestor de negócios

Depois de passar pelas faculdades de nutrição e de publicidade e propaganda, a estudante Amanda Renê de Souza Braga diz que se identificou com o curso de secretariado executivo bilíngue. Aluna do sexto semestre do curso na Universidade Paulista (Unip), Amanda faz estágio há um ano na BASF - The Chemical Company.

CRIS OLIVETTE, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2013 | 02h08

Sob orientação da secretária do vice-presidente de RH, a estudante atende o gerente do departamento de recursos humanos. "Cuido da agenda, faço reservas de passagens aéreas e hotéis, pagamentos de notas fiscais da área de RH, e organizo eventos como workshops e treinamentos."

Além dessas tarefas, Amanda também ajuda na área de remuneração ao fazer a revisão das descrições de cargos, recepciona pessoas de outros países e faz serviços operacionais como organização de arquivos. "Trabalhar em uma multinacional requer muita responsabilidade. Estou gostando bastante, tenho uma rotina bem interessante."

Segundo a coordenadora do curso de secretariado executivo bilíngue da Unip, Penha Terra (foto abaixo), a formação enfatiza o uso da automação nos escritórios para atender as necessidades e expectativas do mercado de trabalho. "O curso tem por objetivo melhorar a competência da categoria profissional nas organizações."

Penha afirma que o mercado é promissor e está em constante expansão. Ela conta que neste semestre os alunos ingressantes estão fazendo uma pesquisa de mercado, com base em anúncios de empregos para essa área.

"Como prévia dos resultados, eles identificaram que no período de fevereiro a abril deste ano foram oferecidas 780 vagas, com salários que variam de R$ 800 a R$ 10 mil." Penha diz que a diferença salarial leva em consideração o porte da empresa, exigência de outros idiomas e experiência profissional. "Quanto aos contratos de estágio, os salários variam entre R$ 1,5 mil e R$ 2,2 mil."

Demanda. A coordenadora diz que o curso é procurado por alunos que se dividem em três categorias. "Temos aqueles que já ocupam a função e buscam a graduação para regulamentar o cargo na empresa empregadora. Um outro grupo é atraído pela oportunidade de se capacitar em uma segunda ou terceira língua. Além disso, temos dos que desejam construir uma carreira na área administrativa e atuar como um gestor de negócios."

Empresas públicas e privadas de pequeno a grande porte são responsáveis pela absorção desses profissionais, diz a professora. "Atualmente, alguns de nossos alunos estão estagiando em empresas como IBM do Brasil, Câmara Americana de Comércio, SAP Brasil e em diversas instituições financeiras, entre outras."

No momento, Amanda diz que sonha com a efetivação no cargo que ocupa há um ano. "Caso isso ocorra, espero construir uma ótima carreira na empresa. Também penso em fazer alguma especialização ligada a relações internacionais dentro do secretariado. Estou pesquisando algumas faculdades para ver em qual me encaixo melhor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.