Werther Santana/Estadão
Gustavo Periatto é matemático e hoje atua como especialista de machine learning Werther Santana/Estadão

Profissões do futuro: flexibilidade e atualização são pré-requisitos fundamentais

Segundo especialistas, profissional precisa hoje conhecer e estudar a fundo vários assuntos

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2021 | 14h00

Ser versátil, acompanhar as tendências do mercado e ter uma cultura de constante aprendizado são características essenciais para os candidatos às novas profissões. Para Luciano Montezzo, da 99Hunters, a carreira do futuro é desafiadora. “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. Por isso, as pessoas precisam ser flexíveis para acompanhar o mercado.”

Gustavo Previatto, de 32 anos, é um exemplo dessa mudança provocada pela revolução tecnológica. Formado em Matemática, ele tinha planos de fazer mestrado e se tornar pesquisador ou professor da matéria. Mas sua vida tomou outros rumos quando conseguiu um estágio no Itaú. Ali, teve o primeiro contato com o mundo de tecnologia e dados.

O interesse pelo assunto o levou a estudar mais sobre esse universo. Sozinho, pesquisou materiais disponíveis na internet, aprendeu a programar e conseguiu um trabalho na Empiricus como analista de BI (inteligência de negócios). Hoje, ele é especialista em “machine learning” – profissional que programa, desenvolve e “treina” máquinas com capacidade de aprenderem de forma autônoma. “Valeu muito a pena mudar de carreira. Eu gosto e pagam bem”, diz Previatto.

Uma característica comum desses profissionais é o desapego e a facilidade em mudar estratégias e o rumo do trabalho. A cientista de computação Daniela Canuta, de 32 anos, pretendia fazer um mestrado, mas largou tudo e foi fazer um curso de big data. Hoje, ela trabalha na startup Olívia como engenheira de inteligência artificial e de “machine learning”. “Essa é a profissão do futuro, pois quase tudo a máquina consegue fazer. Hoje, o dado é o novo ouro, mas você precisa agregar contexto a ele.”

Maurício Batista, de 29 anos, sabe bem o que é isso. Formado em Engenharia Civil, hoje ele trabalha na análise de dados para resolver problemas das empresas. Ele trabalhou três anos na área de construção civil, com projetos e construção de estações de água. Com a crise do setor, ele migrou para a área de consultoria de negócios e, hoje, está na Neon na área de operação de negócios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Piloto de drone, 'pentester', líder de 'live streaming': veja quais são as profissões do futuro

Acelerada pela pandemia, transformação digital impulsiona atividades ligadas à tecnologia, desde o desenvolvimento até tarefas de análise, e leva profissionais a dar guinada na carreira

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2021 | 14h00
Atualizado 25 de outubro de 2021 | 11h17

Wagner Delbaje era piloto comercial e instrutor de voo; Thabata Dornelas se formou em Direito; e Maurício Batista fez faculdade de Engenharia Civil. Do ano passado para cá, os três decidiram dar uma guinada na vida profissional e trabalhar em áreas bem diferentes de suas formações. Em comum, escolheram vagas que estão na lista das profissões do futuro. Delbaje virou piloto de drone; Thabata, desenvolvedora “front-end” (que faz páginas na web); e Batista, um “business operation” – função que trabalha com a gestão de negócios com base em dados e fatos.

O movimento dos três profissionais atende a um mercado que não para de crescer, sobretudo após a pandemia. Com a transformação digital acelerada dentro das empresas, algumas funções ganharam mais importância e outras foram criadas. A maioria está ligada, de alguma forma, à tecnologia, seja na análise de dados, no desenvolvimento de programas, no marketing digital ou nas vendas online.

“Essas profissões trazem um viés tecnológico grande e estão ligadas à transformação digital”, diz Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half Brasil, que acaba de lançar o Guia Salarial 2022 e traz as carreiras do futuro em vários setores. Muitas delas envolvem a produção, coleta e análise de dados em diferentes esferas. São profissões que exigem do candidato um alto nível de interpretação e análise de dados para aplicação no dia a dia das empresas. 

A lista da Robert Half inclui funções pouco conhecidas pela população, mas em alta no mercado, como o líder de “live streaming”, que coordena transmissões ao vivo; o “pentester”, responsável pela segurança de dados; e o “people analytics”, que faz a coleta e análise de dados para gestão de pessoas; além dos desenvolvedores de programas – profissionais que hoje valem “ouro”.

O lado negativo é que já há uma escassez dessa mão de obra e uma disputa muito forte entre empresas pelos profissionais, o que acaba elevando o valor dos salários. Mas esse é um problema que aflige não só o Brasil como todo o mundo, diz Luciano Montezzo, da 99Hunters. Exemplo disso, é que tem sido uma tendência multinacionais buscarem profissionais de tecnologia no Brasil.

“A disputa tem sido assustadora. A má notícia é que as coisas vão piorar”, diz o presidente da startup Bornlogic. Segundo ele, diante da concorrência com grandes empresas, conseguir conquistar os profissionais exige uma boa estratégia, com a criação de um propósito, uma cultura de autonomia dos trabalhadores e remuneração atraente.

Agenda de decisões

Nas profissões mais recentes, a oferta de mão de obra é ainda mais restrita e, em alguns casos, o nível de qualificação abaixo dos requisitos das empresas, diz Leonardo Berto, gerente da operação da Robert Half. “A agenda de decisões baseada em dados no nível de hoje é relativamente nova no País”, completa ele, explicando a escassez de mão de obra.

Além disso, as faculdades não estão preparadas para formar esses profissionais do futuro. Muitas vezes o conhecimento é adquirido em cursos de curto e médio prazos ou quando as empresas praticamente “adotam” o profissional para formá-lo. “Cada vez mais, há uma desconexão com a graduação tradicional. Currículo e formação não vão vir mais em primeiro lugar numa contratação”, afirma Diogo Forghieri, diretor da Randstad do Brasil.

Essa tendência tem incentivado os profissionais a se reposicionarem no mercado, como foi o caso de Thabata Dornelas. Ela fez Direito influenciada pela família, mas durante o curso já entendeu que não era exatamente naquilo que gostaria de trabalhar. Apesar disso, concluiu a faculdade e entregou o diploma para a mãe.

Foi numa startup que ela descobriu o gosto pela tecnologia. Durante algum tempo, transitou por várias áreas até começar a notar o trabalho de um colega desenvolvedor. “Fiquei muito interessada no trabalho dele e resolvi fazer um curso de um ano, bem puxado. Com oito meses, consegui um emprego na área”, diz ela, que mora em Belo Horizonte (MG) e trabalha em home office.

Para Wagner Delbaje, a mudança representou a recolocação no mercado de trabalho. Piloto comercial e instrutor de voos, ele ficou praticamente sem emprego durante a pandemia. Mas a notícia de que a agência reguladora havia autorizado testes para delivery por drones o fez se movimentar. Procurou uma empresa de drones, se apresentou e conseguiu um emprego. “Trouxe a experiência da aviação tripulada para a aviação não tripulada”, disse ele, que se mudou de Piracicaba para Franca para seguir essa nova profissão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.