Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Programa de concessões deve continuar no próximo governo

Candidatos de oposição querem mais rapidez, mas todos defendem parcerias com o setor privado em infraestrutura

LU AIKO OTTA, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2014 | 02h03

BRASÍLIA - Ponto em que a presidente Dilma Rousseff talvez tenha conseguido maior harmonia com o setor privado, o programa de concessões em infraestrutura deverá prosseguir no próximo governo, seja qual for o resultado das urnas. Mas a oposição propõe aperfeiçoamentos, como regras mais estáveis e melhorias na gestão, para dar mais celeridade aos empreendimentos.

"Não vamos reinventar a roda", afirmou o coordenador do programa de governo do PSB, Maurício Rands. O programa de Marina prega o aperfeiçoamento das concessões e Parcerias Público-Privadas (PPP) para aumentar a oferta de infraestrutura nos próximos anos.

A lista de projetos do Programa de Investimentos em Logística (PIL) de Dilma, lembrou ele, foi elaborada com a consultoria de Jorge Gerdau. E o empresário se converteu numa espécie de "guru" dos presidenciáveis para temas de gestão.

"Não tem bala de prata", disse o economista Mansueto Almeida, que vem colaborando na elaboração do programa econômico do candidato Aécio Neves (PSDB). Mas, na versão tucana, o programa de concessões ganharia atuação mais forte do governo no planejamento, análise de projetos e montagem da engenharia financeira. Isso seria feito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em sintonia com um possível Ministério da Infraestrutura.

Consultado, o comitê eleitoral de Dilma informou que só poderá detalhar as propostas para a infraestrutura daqui a alguns dias. Porém, a área técnica do governo trabalha na sequência do PIL. Estão em elaboração estudos para a concessão de novos trechos rodoviários e também de ferrovias. São todas iniciativas que só deverão sair do papel a partir do ano que vem.

Um ponto comum dos candidatos de oposição é a crítica à instabilidade regulatória. "É preciso ter muita clareza de regras e fortalecer as agências reguladoras para que o empresário possa assinar um contrato de 20 ou 30 anos sem medo de que tudo vai mudar daqui a algum tempo", disse Mansueto.

Também na visão de Rands, é preciso fortalecer o arcabouço institucional para que as concessões e as Parcerias Público-Privadas (PPPs) possam ser mais utilizadas.

Os programas de oposição têm como meta mínima dobrar os investimentos em infraestrutura, que na última década ficaram estagnados na faixa equivalente a 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). E isso, reconhecem, não será alcançado sem a participação do capital privado.

Na parte de obras tocadas com recursos públicos, a principal aposta da oposição é na melhora da gestão. Na avaliação de Mansueto, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) falhou ao não fazer o que propunha: acompanhar em detalhe o andamento das obras, para corrigir os problemas na execução tão logo eles surjam.

Segundo Rands, os investimentos públicos serão feitos nas áreas onde não for possível atrair capital privado. É a mesma linha do atual governo, que deve colocar no PAC 3, por exemplo, o trecho da BR-101 na Bahia cuja concessão não interessou à iniciativa privada porque o pedágio ficaria muito caro.

O futuro presidente precisará desfazer alguns nós do atual programa. O sonho de ter 11 mil km de novas ferrovias operando em 2017, por exemplo, não vai se realizar. E, hoje, há grande incerteza sobre como funcionará a parceria com o setor privado nessa área. O governo tampouco conseguiu avançar com a redefinição de áreas dos portos, que aguarda decisão do Tribunal de Contas da União (TCU).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.