Programa de educação financeira prevê 1.650 escolas

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Ministério da Educação (MEC) esperam alcançar 1.650 escolas de ensino médio em 2010 com o programa de educação financeira desenvolvido pelo governo. Além de ações voltadas para crianças e adolescentes, o governo quer melhorar também o conhecimento da população brasileira adulta. Esse trabalho ficará a cargo do Banco Central e tem como ponto de partida um treinamento com representantes das Forças Armadas.

MÔNICA CIARELLI, Agencia Estado

16 de dezembro de 2009 | 19h12

A ideia é que os militares recebam informações como lidar com dinheiro, organizar o orçamento pessoal e evitar as armadilhas do crédito. Sérgio Lima, representante do Banco Central, lembra que a instituição estuda em conjunto com o Ministério do Desenvolvimento Social ainda estender o programa de educação financeira a beneficiários do Bolsa-Família.

O programa de educação financeira elaborado pelo governo envolve ainda a Superintendência de Seguros Privados (Susep). Segundo o superintendente de Proteção e Orientação a Investidores da CVM, José Alexandre Vasco, a intenção é promover após um ano de implantado o programa um levantamento para se identificar o impacto da inclusão do tema educação financeira no currículo escolar.

Das 1.650 escolas que serão credenciadas, 150 virão do programa "Mais Educação" do MEC. Outras 300 foram escolhidas por já receberem apoio do Instituto Unibanco e as 1,2 mil restantes serão escolhidas entre 5 mil analisadas atualmente.

Tudo o que sabemos sobre:
educação financeiraCVMBanco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.