Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Programa visa a ampliar uso da robótica

Tema foi amplamente discutido durante o Fórum Econômico Mundial para a América Latina, realizado em São Paulo

O Estado de S.Paulo

21 de março de 2018 | 03h00

A modernização da indústria instalada no País requer ações em duas grandes linhas: capacitação de trabalhadores para manejo de tecnologias mais avançadas, estimulando sua criatividade para resolver problemas, e uso mais intenso de robôs nos processos de produção, característica básica da chamada Quarta Revolução Industrial, conhecida como Indústria 4.0. Esses temas foram amplamente discutidos durante o Fórum Econômico Mundial para a América Latina realizado em São Paulo. O governo aproveitou o evento para promover o projeto Agenda Brasileira para a Indústria 4.0, que tem como meta elevar para 18%, até 2020, a parcela da indústria nacional atualizada quanto à aplicação da robótica e da inteligência artificial no seu processo produtivo.

O programa prevê financiamentos totais de R$ 9,1 bilhões, sendo R$ 5 bilhões pelo BNDES, em três anos, em operações com spread reduzido de 1,7% para 0,9%. Outros R$ 3 bilhões deverão provir da Empresa Brasileira de Inovação e Pesquisa (Finep) e R$ 1,1 bilhão do Banco da Amazônia (Basa). No caso da Finep, os juros terão como base a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que terá redução ou acréscimo, conforme a operação. Os financiamentos do Basa terão juros de 4,5% a 6,5% ao ano.

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Marcos Jorge, anunciou durante o Fórum que a tarifa aduaneira para a importação de robôs industriais será zerada. A expectativa nos meios industriais é de que essa isenção possibilite investimentos de cerca de R$ 200 milhões em equipamentos de ponta pela indústria nos próximos três anos.

Para gozar desses benefícios, não há discriminação entre empresas grandes e pequenas, sem excluir as startups. Além de uma campanha para divulgação do programa por meio da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), o Mdic vai criar plataformas digitais para avaliação de empreendimentos, com indicação de um roteiro para transformação de processos ou participação em projetos-piloto e informações para contatos com os fornecedores.

A iniciativa incorpora sugestões que as entidades da indústria têm apresentado, mas, por ser um programa de prazo mais longo, gera incertezas quanto à sua continuidade, pois há o risco de não ser encampado pelo próximo governo ou de ser prejudicado por entraves burocráticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.