Programas de milhagem crescem 20% em um ano; veja como acumular

Número de participantes cadastrados em programas de fidelidade totalizou 70,7 milhões ao final do quarto trimestre de 2015

Victor Aguiar, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2016 | 13h05

SÃO PAULO - O número de participantes cadastrados em programas de fidelidade totalizou 70,7 milhões ao final do quarto trimestre de 2015, número que representa uma alta de 20% em relação ao verificado no mesmo período do ano anterior, quando os cadastros somavam 58,7 milhões, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (Abemf).

No ano passado, foram emitidos 176,5 bilhões de pontos/milhas, alta de 6% em comparação com 2014. A quantidade de pontos/milhas resgatados, por sua vez, cresceu 16,8% em 2015 ante o ano anterior, totalizando 143,5 bilhões.

Veja como acumular milhas aéreas: 

Em comunicado, o presidente da Abemf, Roberto Medeiros, ressalta que o mercado de fidelização tem conseguido manter seu ritmo de crescimento, apesar da queda no consumo das famílias e da alta do dólar.

"Mesmo no acúmulo de pontos/milhas, um dos mais impactados por esses movimentos, foi registrado aumento. Isso demonstra que os consumidores brasileiros estão cada vez mais interessados nestas ações, seja por meio de novas adesões ou pelo maior envolvimento de quem já participa dos programas", diz o executivo.

A Abemf também informa que o faturamento bruto da indústria de fidelização chegou a R$ 5,04 bilhões em 2015, uma alta de 27,1% ante o resultado de 2014. A taxa de breakage, que indica o porcentual de pontos/milhas expirados, ficou em 16,8% no fim de 2015, recuando 0,4 ponto porcentual (p.p.) em relação ao patamar de 2014, quando a taxa era de 17,2%.

"Além de estar em linha com mercados mais maduros, a taxa de breakage decrescente demonstra que o consumidor brasileiro está mais atento e não quer perder oportunidades de resgate", afirmou Medeiros. As informações dizem respeito às cinco maiores companhias do segmento: Multiplus, Smiles, Dotz, Grupo LTM e Netpoints.

Tudo o que sabemos sobre:
milhagemSmilesAviaçãoViagemEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.