Hélvio Romero/Estadão
Manoel Granja de Souza e Maria Elisie e 2 dos 10 filhos: sem Bolsa teriam de pedir ajuda Hélvio Romero/Estadão

Programas sociais reduzem migração

Engenheiro agrônomo da ONG Caatinga conta que, nos últimos 15 anos, não se vê mais um grande número de pessoas indo para as capitais ou outros Estados, nem mercados com alimentos sendo saqueados ou crianças morrendo de fome

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2017 | 05h00

A longa estiagem deixa os tradicionais traços de terra arrasada, plantação cinza, como se tivesse sido queimada, e animais magros, mas a situação da população é diferente de anos atrás, quando a seca expulsava os habitantes do sertão. Hoje as pessoas permanecem no Nordeste porque são atendidas por programas sociais, como Bolsa Família, Bolsa Estiagem, aposentadoria rural, instalação de cisternas e Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar.

“Nos últimos 15 anos não se vê mais um grande número de pessoas indo para as capitais ou outros Estados, nem mercados e caminhões com alimentos sendo saqueados ou crianças morrendo de fome”, diz o engenheiro agrônomo Giovanne Xenofonte, da ONG Caatinga, que mantém projetos de agroecologia em Araripe, área formada por dez cidades do interior de Pernambuco.

Na seca de 1979 a 1983, por exemplo, 3,5 milhões de pessoas morreram por subnutrição. Em 1915 e 1932, os governos chegaram a criar “campos de concentração” para evitar que populações famintas chegassem às capitais.

Com os R$ 600 que recebe do Bolsa Família, o casal Manoel Granja de Souza, de 49 anos, e Maria Elisie, de 39 anos, cuida de oito filhos com idades entre 2 e 21 anos na área rural de Ouricuri (PE). Só o mais velho faz bicos ajudando um vizinho no corte de mandacaru.

Após perder seis vacas, “cinco por fome e uma porque comeu plástico”, conforme explica Souza, ele vendeu as quatro que restaram, “antes que também morressem”. Agora cria cinco galinhas. “Sem o Bolsa Família estaríamos perdidos; teria de pedir ajuda nas ruas da cidade”, diz Elisie.

O presidente da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos, a Funceme, Eduardo Martins, diz que programas sociais evitam a migração e cita a instalação de mais de 1 milhão de cisternas no semiárido para captar água da chuva. Elas são abastecidas por caminhões-pipa pagos pelo governo. Mas algumas famílias reclamam que ficam até três meses sem água. “A política do carro pipa é necessária, mas reforça a indústria da seca”, diz Xenofonte. Há um comércio da água – retirada do rio São Francisco e de outras fontes –, e os donos de caminhões cobram de R$ 65 a R$ 130 por um carregamento.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.