Projeção de inflação para 2005 sobe, segundo o BC

As projeções de mercado para o IPCA de 2005 subiram de 5,72% para 5,77%, na pesquisa semanal do BC (Focus) divulgada nesta manhã. A alta já era esperada em função do reajuste das tarifas de ônibus em São Paulo. Com a alta, as estimativas ficaram ainda mais distantes da meta perseguida pelo Copom para 2005, de 5,1%. As previsões de IPCA ara 2006 continuaram estáveis em 5,00%, porcentual superior ao centro da meta do próximo ano, de 4,5%. As projeções de IPCA 12 meses à frente recuaram de 5,59% para 5,48%.Juros Para este mês de março, as projeções de mercado para o IPCA subiram pela sexta semana consecutiva e passaram de 0,55% para 0,60%. Há quatro semanas, as projeções de IPCA para março estavam em 0,43%. Para abril, as estimativas de IPCA aumentaram pela segunda semana consecutiva, passando de 0,41% para 0,43%.O mercado manteve suas projeções de taxa de juros para este mês estáveis em 19,25%. O porcentual embute a expectativa de que o Comitê de Política Monetária (Copom) eleve os juros em mais 0,50 ponto porcentual na reunião de amanhã e quarta-feira. Depois desta elevação, os juros ficariam estáveis em 19,25% em abril, de acordo com os dados da pesquisa do BC. As projeções de juros para o final do ano, por sua vez, ficaram estáveis em 17% pela terceira semana consecutiva. As estimativas de taxa média de juros para este ano seguiram a mesma tendência de estabilidade e permaneceram em 18,50% ao ano. Para o fim de 2006, os participantes da pesquisa do BC mantiveram as previsões de juros em 15% pela quinta semana consecutiva. As previsões de taxa média de juros, em contrapartida, recuaram de 15,88% para 15,83% ao ano.PIBAs estimativas de mercado para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2006 caíram de 3,80% para 3,70%. Esta foi a segunda queda consecutiva das previsões de crescimento econômico para o próximo ano, que estavam em 4% há quatro semanas. Apesar da queda, as projeções de crescimento da produção industrial para 2006 subiram de 4,20% para 4,50%. Com a alta, o porcentual estimado de aumento da produção industrial voltou ao mesmo patamar da pesquisa feita há quatro semanas. As previsões de crescimento do PIB para este ano, por sua vez, ficaram estáveis em 3,69%. Mesmo com a estabilidade, as projeções de expansão da produção industrial neste ano subiram de 4,63% para 4,70% e ficaram acima dos 4,64% estimados há quatro semanas.Câmbio As estimativas de mercado para a taxa de câmbio no fim deste mês subiram de R$ 2,63 para R 2,65. Apesar da alta, o valor estimado é inferior aos R$ 2,72 do fechamento da última sexta-feira. Para o fim de abril, as previsões de câmbio feitas pelos participantes da pesquisa ficaram estáveis em R$ 2,65 pela segunda semana consecutiva. As previsões de câmbio para o final do ano seguiram a mesma tendência de estabilidade e permaneceram em R$ 2,80 pela segunda semana consecutiva. As projeções para o fim de 2006, por sua vez, recuaram de R$ 3,00 para R$ 2,99.Dívida do setor públicoAs projeções de mercado para a dívida líquida do setor público neste permaneceram estáveis em 51,40% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com a pesquisa do BC. Há quatro semanas, as estimativas de dívida líquida estavam em 51,50% do PIB. Para 2006, as previsões de dívida líquida do setor público ficaram estáveis em 50% do PIB pela terceira semana consecutiva. Há quatro semanas, estas projeções estavam em 49,90% do PIB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.