Projeção do mercado para Selic sobe para 15,63% em 2006

As projeções de mercado para a taxa de juros no fim de 2006 subiram de 15,50% para 15,63% em pesquisa semanal do Banco Central (BC) divulgada hoje. Em contrapartida, as expectativas de taxa média de juros para o próximo ano continuaram estáveis em 16,50%. As previsões de juros para o fim de 2005 também não se alteraram e prosseguiram em 18% pela terceira semana consecutiva. As previsões de taxa média de juros para este ano recuaram, por sua vez, de 19,08% para 19,07%. As estimativas de juros para o próximo mês não sofreram alteração e permaneceram em 19,25% pela sexta semana seguida.A projeção embute uma expectativa de queda dos juros de 0,50 ponto porcentual na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). A manutenção da estimativa ocorreu após a divulgação na semana passada da ata da última reunião do Copom, em que os juros foram mantidos em 19,75%. CâmbioAs projeções de mercado para a taxa de câmbio no final deste ano recuaram de R$ 2,50 para R$ 2,48. A queda ocorreu a despeito do aumento da volatilidade nos mercado provocado pelas denúncias de corrupção contra o ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Para o fim deste mês, as expectativas de câmbio ficaram inalteradas em R$ 2,35 pela segunda semana consecutiva. Para o final de setembro, as previsões de câmbio aumentaram e passaram de R$ 2,38 para R$ 2,39. As expectativas para a taxa de câmbio no final de 2006, por sua vez, ficaram estáveis em R$ 2,70 pela segunda semana seguida.Dívida líquida do setor públicoAs projeções de mercado para a dívida líquida do setor público neste ano subiram de 51,35% para 51,40% do Produto Interno Bruto (PIB) na pesquisa do BC. Apesar da alta, o porcentual estimado é inferior aos 51,50% do PIB projetados pelo próprio BC na semana passada. Para 2006, as estimativas de dívida líquida ficaram estáveis em 50,50% do PIB. Há quatro semanas, estas projeções estavam em 50% do PIB.Produção industrialAs projeções de mercado para o crescimento da produção industrial neste ano subiram de 4,48% para 4,50%. Esta foi a segunda elevação consecutiva destas previsões, que estavam em 4,40% há quatro semanas. As estimativas de aumento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, em contrapartida, ficaram estáveis em 3% pela nona semana seguida. O porcentual é inferior aos 3,4% estimados pelo próprio BC no Relatório de Inflação divulgado ao final de junho. Para 2006, as previsões de aumento da produção industrial subiram de 4,40% para 4,50%. Há quatro semanas, estas previsões estavam em 4,25%. As estimativas de aumento do PIB para o próximo ano não se alteraram e prosseguiram em 3,50% pela 17ª semana consecutiva.Superávit em conta correnteAs projeções de mercado para o superávit em conta corrente deste ano subiram de US$ 11,60 bilhões para US$ 11,85 bilhões na pesquisa do BC. Esta foi a quarta elevação consecutiva destas previsões, que ainda estavam em US$ 10 bilhões há quatro semanas. As estimativas de superávit da balança comercial neste ano, em contrapartida, não se alteraram e continuaram em US$ 40 bilhões.Apesar de estável, o valor projetado é superior aos US$ 37 bilhões de quatro semanas atrás. As expectativas de superávit em conta corrente para o próximo ano também não mudaram e prosseguiram nos mesmos US$ 5,85 bilhões da semana passada. As previsões de superávit comercial para o próximo ano, em contrapartida, subiram de US$ 33,50 bilhões para US$ 33,60 bilhões.Investimento estrangeiro diretoAs projeções de mercado para o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) em 2006 subiram de US$ 15 bilhões para US$ 15,90 bilhões em pesquisa semanal do Banco Central (BC) divulgada há pouco. Apesar da alta, o valor estimado ainda é inferior aos US$ 15,95 bilhões estimados em pesquisa divulgada há duas semanas. Para este ano, as expectativas de fluxo de IED continuaram estáveis em US$ 15,50 bilhões pela segunda semana consecutiva. Há quatro semanas, estas projeções estavam em US$ 15,40 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.