André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Estimativas para inflação pioram, mas projeção para juro em 2016 cai a 14,25%

Expectativa para a Selic volta a cair após o BC adotar tom mais brando em relação à política monetária; mercado prevê inflação de 7,26% esse ano e uma queda do PIB já superior a 3%

Reuters

01 Fevereiro 2016 | 09h14

SÃO PAULO - A projeção para a taxa básica de juros no final deste ano voltou a cair diante do tom mais brando que o Banco Central adotou em relação à condução da política monetária, mesmo com as expectativas para a inflação em contínua piora e sem alívio no cenário de recessão.

A estimativa para a Selic ao final deste ano caiu a 14,25% ao ano na pesquisa Focus do BC desta segunda-feira, contra 14,64% na mediana das projeções da semana anterior.

Depois de decidir manter a Selic em 14,25%, o BC sugeriu na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) maior tolerância com a inflação neste ano em meio à elevação das incertezas no cenário externo, com destaque para desaceleração na China e evolução dos preços do petróleo.

Para o fim de 2017, os economistas consultados mantiveram a expectativa para a taxa básica de juros em 12,75% ao ano.

Entretanto, as contas para a inflação continuam em deterioração. A pesquisa com um centena de economistas mostra estimativa de alta do IPCA de 7,26% em 2016, contra 7,23% antes, acima do teto da meta - de 4,5% com tolerância de 2 pontos porcentuais.

Já para 2017 a expectativa de alta do IPCA continua se aproximando do teto da meta de 4,5% - que terá no próximo ano tolerância de 1,5 ponto -, tendo chegado a 5,80% contra 5,65% na pesquisa anterior.

O cenário de alta dos preços se dá mesmo com a economia em recessão. Na mediana das projeções no Focus, o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano deve contrair 3,01%, ante queda de 3% antes. Para 2017 é esperado crescimento, porém cada vez menor, sendo estimado agora em 0,70% ante 0,80% no levantamento anterior.

Em relação ao dólar, os analistas corrigiram mais uma vez para cima suas expectativas para o comportamento cambial no encerramento de 2016. A mediana das estimativas aponta para uma cotação de R$ 4,35 no fim deste ano, maior do que a de R$ 4,30, vista na semana passada.

Para 2017, a mediana permaneceu em R$ 4,40. O BC retomou na semana passada a realização de leilões de linha. Além disso, tem mantido integralmente a rolagem de leilões de swap cambial, que foram mais expressivos desde 2013, por meio de ofertas apelidadas de "ração diária".

(Com informações de Célia Froufe, da Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:
BC Focus PIB inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.