R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Projeto de regulação inclui controle de entidades financeiras

Proposta permite que o governo dos EUA assuma o controle e reestruture instituições como a seguradora AIG

Agências internacionais,

25 de março de 2009 | 11h43

O secretário do Tesouro americano, Tim Geithner, disse nesta quarta-feira, 25, que o governo vai enviar ao Congresso um projeto de lei para a reforma regulatória no sistema financeiro. A administração Obama pretende ampliar a regulação das instituições não bancárias. A proposta permite que o governo assuma o controle e reestruture instituições como a seguradora AIG, que recebeu US$ 180 bilhões em recursos públicos, se elas representem uma ameaça para a estabilidade do sistema financeiro.

 

"Precisamos que este país nunca seja novamente confrontado com a opção entre a falência do sistema e o uso massivo de recursos do contribuinte para salvar estas firmas", disse Geithner.

 

Para o secretário, a crise atual mostra que o risco de desestabilização da economia vai além dos bancos, mas o atual sistema regulatório tem poucas ferramentas para lidar com estes riscos.

 

O comitê Financeiro da Câmara dos Representantes deve receber o projeto na próxima semana. O governo espera que a insatisfação popular com o pagamento de bônus milionários a executivos da AIG ajude na aprovação do projeto.

 

Geithner deve delinear as propostas do governo em uma audiência no comitê amanhã. A lei deve abordar uma reforma em toda a estrutura regulatória do mercado financeiro. A nova legislação deve incluir limites para investimentos de alto riscos e garantias para que bancos tenham recursos suficientes para atravessar períodos de crise.

 

O projeto ainda deve incluir regras para proteger consumidores e investidores contra fraudes financeiras, como o caso Madoff. "Isto vai nos ajudar contra ameaças como os empréstimos subprime, que desencadearam a crise", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAcrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.