Divulgação
Divulgação

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Projeto estende cobrança de imposto municipal ao Netflix

Segundo texto aprovado na Câmara, empresa americana teria de pagar ISS no País; projeto pode ser alterado

Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2015 | 02h06

BRASÍLIA - A Câmara aprovou, ontem, o texto-base de um projeto de lei que estende a cobrança do Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISS) para serviços como o Netflix, que permite assistir a filmes e séries de TV online. Também serão alvo da cobrança do imposto serviços como aplicação de piercings e tatuagens. O texto ainda está sujeito a alterações já que os destaques serão votados somente na próxima semana e o projeto ainda volta para o Senado.

O texto, que prevê tributação sobre "serviços de disponibilização, sem cessão definitiva, de conteúdos de áudio, vídeo, imagem e texto em páginas da internet", abre exceção para jornais, livros e periódicos.

"Precisamos fazer um trabalho para modernizar e atualizar a lista dos novos serviços que não constam na lista atual, sobretudo os novos serviços de internet, como o Netflix, por exemplo, que hoje não é tributado", afirmou o relator do texto, deputado Walter Ihoshi (PSD/SP).

O objetivo principal da proposta é evitar a chamada "guerra fiscal" entre municípios. O texto proíbe que municípios concedam isenção de ISS, o que é prática comum atualmente.

A alíquota mínima fica fixada em 2%. O prefeito que descumprir as normas, cometerá ato de improbidade administrativa e está sujeito a perda de função pública e suspensão dos direitos políticos por até oito anos, além de ter de pagar multa de até três vezes o valor do benefício concedido.

"Entendemos as dificuldades dos Estados e dos municípios e fizemos um relatório que teve o apoio generalizado deles", disse Ihoshi. "Estamos fazendo um trabalho para acabar com a guerra fiscal", afirmou.

Transporte funerário e cremação de corpos, além da cessão de uso de espaços em cemitérios também serão alvo de cobrança de ISS, o que foi motivo de críticas. "O sujeito no Brasil paga imposto ao nascer e até morrendo também tem que pagar imposto. É um exagero, um absurdo", disse o líder do DEM, Mendonça Filho (PE).

Também haverá incidência de ISS sobre serviços de vigilância e monitoramento de bens móveis. O imposto incidirá até mesmo quando a atividade for realizada por meio de telefonia móvel, transmissão por satélites e rádios.

O imposto não incidirá sobre exportações de serviços para o exterior quando os resultados do serviço se verificarem em território estrangeiro e houver ingresso de recursos no País. Também estão isentos de ISS serviços prestados por cooperativas aos seus cooperados e os serviços prestados por cooperados por intermédio da cooperativa.

Polêmica. No mês passado, serviços de dados como o Netflix e o WhatsApp, ficaram no meio do fogo cruzado. Empresas de radiodifusão e de telecomunicação se manifestaram publicamente e pediram uma atitude do governo federal para regulamentar o serviço oferecido por essas empresas. O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, chegou a declarar que tanto o Netflix quanto o WhatsApp deveriam ser enquadrados por regulações nacionais.

Há duas semanas, sob pressão das teles, a Anatel deu sinais de que estuda diminuir parte das regulamentações que as teles tradicionais precisam obedecer, para devolver um equilíbrio competitivo ao mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.