Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão
Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Projeto aumenta 'guerra' entre Bolsonaro e Estados mas pode reduzir inflação em 1,39 ponto

A ameaça do presidente da Câmara, Arthur Lira, de colocar o projeto em votação escalou a guerra federativa que o governo Bolsonaro e aliados travam com os Estados

Adriana Fernandes*, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2022 | 04h00

O projeto que classifica como bens essenciais combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte público e fixa um teto de 17% para a cobrança do ICMS tem potencial para reduzir em 1,39 ponto porcentual a inflação neste ano, de acordo com estimativas do BTG que foram disparadas ontem e chegaram ao mundo político de Brasília.

Não é pouco o que os Estados e municípios perdem de acordo com cálculos dos economistas Fábio Serrano e Bruno Balassiano, do banco: R$ 53,6 bilhões por ano a menos no cofre. O economista Sergio Gobetti, especialista em contas públicas, a pedido do Estadão, calculou um impacto ainda maior – de R$ 70 bilhões.

A ameaça do presidente da Câmara, Arthur Lira, de colocar o projeto em votação escalou a guerra federativa que o governo Bolsonaro e aliados travam com os Estados.

A tensão vem aumentando desde a pandemia. Foi agravada neste ano de eleições com a redução em 35% do IPI (imposto federal compartilhado) e a nova forma de tributação do ICMS sobre o diesel que o Congresso aprovou com apoio do governo. A disputa foi parar no STF com recurso da AGU.

De um lado, o governo federal está enlouquecido para diminuir os preços até a eleição deste ano, quando Bolsonaro buscará a reeleição. No outro lado dessa queda de braço, governadores, que também buscam a própria eleição ou a de aliados políticos, não querem perder receita.

Não há santo nessa história.

Em tempos de vacas magras e de gastos explosivos, os Estados foram abocanhando mais e mais tributando altamente em até 30%. Foram gulosos.

Era de se esperar que uma hora essa pressão fosse estourar. O momento chegou numa combinação de caixa cheio para os Estados, fruto do impacto da inflação mais alta na arrecadação e dos repasses da União mais altos durante a pandemia.

Justificativas que o governo federal aponta para pedir a “contribuição” dos Estados.

A solução do problema já poderia estar encaminhada com uma redução efetiva de benefícios fiscais e de uma reforma tributária. Nada disso foi enfrentado. O governo não teve capacidade de articulação, e os Estados acharam que poderiam seguir sem fazer nada. 

O maior problema será o impacto que pode ter nas contas de Estados e municípios, perda de receita e incapacidade de financiar políticas públicas. Depois, essa conta se acumula e acaba caindo no colo da União mais à frente. Como sempre.

Muitos países no mundo estão fazendo algum tipo de medida para controlar preços de energia e combustível. Vai ser difícil para os Estados segurarem essa pressão.

*REPÓRTER ESPECIAL DE ECONOMIA EM BRASÍLIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.