Projetos de energia da Petrobrás só terão recursos aprovados após vitória em leilão

Projetos terão que ‘disputar’ recursos com outros; ‘será necessário que ele seja melhor do que os outros’, afirmou diretor de Gás e Energia da empresa

André Magnabosco, da Agência Estado,

25 de junho de 2012 | 19h50

SÃO PAULO - O diretor de Gás e Energia da Petrobrás, José Alcides Santoro Martins, destacou há pouco que os novos projetos de energia elétrica da estatal só terão recursos disponíveis quando superarem diversas etapas do processo de desenvolvimento, incluindo o êxito em leilões de energia. Além disso, os projetos dessa área, assim como ocorrerá em todas as demais áreas da Petrobrás, terão que "disputar" recursos com outros projetos. "Será necessário que ele seja melhor do que os outros", afirmou em apresentação a analistas e investidores realizada em São Paulo.

A Petrobrás, de acordo com Santoro, tem capacidade instalada de 5.900 MW, além de 690 MW em participações em 11 termelétricas em operação. Novos projetos ainda podem adicionar 1.300 à capacidade instalada da estatal.

Na área de Gás e Energia, Santoro destacou que o foco da empresa está associado a cinco tópicos. O primeiro é a produção de fertilizantes e movimentação e processamento de gás natural. O foco inicial da companhia está na construção de uma fábrica de fertilizantes em Três Lagoas (MS), previsto para setembro de 2014, com capacidade de 1,233 milhão de toneladas de toneladas anuais de ureia.

A companhia também pretende ampliar o terminal de Cabiúnas (RJ), este sendo o segundo ponto citado por Santoro. O terceiro ponto é o investimento em unidades já em funcionamento, incluindo as 16 termelétricas da companhia. O quarto é a construção da UTE Baixada Fluminense, com capacidade instalada de 530 MW e início de operação previsto para março de 2014. E o quinto item é a decisão final do projeto, associada à financiabilidade do projeto, à oferta de gás natural e ao êxito da companhia em leilões de energia.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrásProjetos de energia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.