coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Prometeu e não entregou

A presidente Dilma Rousseff vai colecionando recordes de popularidade. Resultam das transferências de renda e do aumento do emprego proporcionados pela política econômica.

CELSO MING, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2012 | 02h08

E, no entanto, o setor produtivo está prostrado com o avanço altamente insatisfatório do PIB pelo segundo ano consecutivo: crescimento de 2,7% em 2011 e, provavelmente, inferior a 1,0% em 2012. Enquanto isso, a inflação segue uma das mais altas do mundo, numa paisagem global em que prevalecem os temores de deflação e não de escalada dos preços - veja a lista no Confira.

São indicadores decepcionantes não apenas quando confrontados com as expectativas do governo Dilma, mas também quando comparados com os números que estão sendo apresentados por outros países. A tabela que vai no Confira dá uma ideia do contraste.

O ministro Guido Mantega aposta na virada imediata do jogo. Todos os dias repete que, em 2013, o PIB finalmente apresentará avanço entre 4,0% e 4,5%. Ele põe fé na força dos estímulos: mais dinheiro na economia (proporcionado pela queda dos juros); crédito em expansão de pelo menos 14% ao ano; desoneração das folhas de pagamento; redução de impostos; e mais investimentos. Conta, também, com uma certa melhora da economia mundial ou, pelo menos, com o seu não agravamento.

Nos últimos meses de 2011, Mantega apontava para 2012 as mesmas projeções que faz agora para o desempenho da economia de 2013. O Banco Central também irradiava otimismo, embora mais contido do que o do ministro. O Relatório de Inflação divulgado em dezembro de 2011 cravava crescimento do PIB em 2012 de 3,5%. E, no entanto, deu no que deu.

Para 2013 não dá mais para contar com a derrubada dos juros. A desenvoltura da inflação provavelmente obrigará o Banco Central a acionar as tais medidas prudenciais - já que não pretende reverter tão cedo a trajetória dos juros. São os mesmos fatores que vão exigir um câmbio estável ou, até mesmo, em certa baixa. A carga de investimentos em 2012 foi menor do que em 2011, o que também conspira contra um avanço alentado do PIB em 2013 - pelas mesmas razões pelas quais a menor reposição no galinheiro tende a conter a produção de ovos.

Apesar dos apelos do governo, o empresário brasileiro ainda não mostrou disposição para desengavetar seus projetos de investimento. Sente que seus negócios perdem competitividade e teme o ativismo do governo, sempre pronto a mudar as regras do jogo e a favorecer certos concorrentes com créditos favorecidos e reservas de mercado.

Na próxima semana, a presidente Dilma começa a segunda metade do seu mandato. Entendeu tarde demais que o modelo macroeconômico adotado não pode entregar o prometido. As correções de rumo são insuficientes e levam um tempão para maturar. Dependem de definição de regras de jogo, de licenciamento ambiental, de aprovação dos tribunais.

O risco agora é que o governo Dilma se conforme com uma inflação alta demais e com a sucessão de pibinhos e que invista pesado na manutenção do seu alto nível de popularidade. Ou seja, o risco é que o governo Dilma se deixe levar pelo populismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.