bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Promotor dá garantias para Repsol operar na Bolívia

O promotor da cidade de Santa Cruz, Jaime Soliz, deu nesta segunda-feira, 28, garantias à companhia petrolífera Repsol YPF para operar na Bolívia, mas pediu ajuda para investigar a denúncia de um contrato supostamente irregular, assinado com a Petrobras em 2002.Soliz deu uma entrevista coletiva junto com os representantes do Ministério Público, que na sexta-feira passada confiscaram a documentação sobre o caso na sede da Andina, filial da Repsol na Bolívia.Os fiscais investigam um suposto dano econômico contra o Estado causado pela assinatura de um contrato entre a Andina e a Petrobras, para ajustar os preços do gás vendido ao Brasil, segundo denúncia apresentada por representantes do Governo de Evo Morales.Soliz afirmou que os promotores investigam a empresa Andina SA, e não a Repsol YPF, à qual garantiu segurança jurídica.A empresa hispano-argentina administra a Andina e ainda possui pouco mais de 50% de suas ações, embora o presidente da Bolívia, Evo Morales, ao decretar a nacionalização dos hidrocarbonetos, em maio passado, tenha afirmado que a companhia petrolífera estatal YPFB deveria ter 51%."Eu não sei o porquê de isso incomodar a Repsol. Se não deve nada, não tem porque sentir-se incomodada, não tem porque deixar o país.", disse Soliz."Damos segurança jurídica à Repsol para que opere com a maior normalidade neste país. Só queremos que nos apóiem e colaborem com as informações que pedimos", afirmou o promotor de Santa Cruz.Soliz assegurou que os documentos só foram apreendidos porque a empresa "não colaborou com as investigações", apesar da obrigação de todos os cidadãos, nacionais ou estrangeiros, de "colaborar com a justiça boliviana".Segundo ele, os promotores realizam "uma investigação penal" por uma suposta violação da lei, e não "uma perseguição judicial", como denunciou a empresa em comunicado divulgado em Madri no domingo, 27."Nós temos autonomia funcional, não temos nenhuma ligação com o Poder Executivo", afirmou o promotor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.