Proposta da dívida rural deve incluir débitos de R$ 40 bi

Na proposta para renegociação das dívidas dos produtores rurais que pode ser divulgada hoje, o governo deve manter a idéia inicial de adotar medidas que tragam para adimplência os produtores que estão inadimplentes. Em outra frente, também serão concedidos descontos para que os produtores paguem seus débitos. A idéia defendida pelo Ministério da Agricultura é substituir a taxa básica de juro, a Selic, fixada em 11,25% ao ano, pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou 2007 em 4,46%, nos contratos dos produtores rurais que têm dívidas vencidas com a União. Pelos cálculos do governo, a medida atingiria um estoque de dívida vencida de R$ 40 bilhões, o que resolve, segundo estimou na semana passada o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, de 70% a 80% o problema do endividamento rural.Esta manhã, o ministro ressaltou que o governo apresentará uma "proposta", sinalizando que existe a possibilidade de negociação com representantes dos produtores. Mas uma fonte do governo explicou que alguns pontos podem ser incluídos, desde que outros sejam excluídos. "Não há caixa para atender a todos", comentou um interlocutor. Na reunião marcada para hoje, às 18h30, com os ministros Stephanes e da Fazenda, Guido Mantega, parlamentares tentarão incluir na proposta as dívidas contraídas a partir de 2005, que ficaram de fora do esboço apresentado pelo governo no começo do mês. Outro pedido é para que os débitos que foram repactuados anteriormente e que vencem a partir deste ano sejam novamente renegociados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.