Proposta da Vale pode ser a mais atraente, diz FT

O jornal Financial Times afirma que a oferta de US$ 17,8 bilhões apresentada nesta sexta-feira pela Companhia Vale do Rio Doce para adquirir o controle da mineradora canadense de níquel Inco pode ser mais atraente do que as propostas que já haviam sido apresentadas por outro grupo canadense, o Teck Cominco, e pela empresa norte-americana Phelps Dodge. A Vale propõe o pagamento em dinheiro de 86 dólares canadense por ação da Inco. A oferta da Teck Cominco soma 18,7 bilhões de dólares canadenses, mas com o pagamento de 40 dólares canadenses por ação. Já a proposta da Phelps Dodge, que avalia a Inco em 17 bilhões de dólares canadenses, baseia-se numa grande troca de ações.Segundo o FT, a batalha pelo controle da Inco sofreu uma nova reviravolta nesta quinta com a oferta da Vale. O diário observa que o grupo brasileiro, avaliado em cerca de US$ 55 bilhões, tem o dobro do tamanho da Phelps Dodge e é três vezes maior que a Teck Cominco. "A Vale registrou lucros recordes derivados recente boom das commodities, engrenado pelo crescente demanda na China", disse o jornal. "A Vale tem implementado um plano de investimentos de US$ 17,4 bilhões para os próximos cinco anos para reforçar suas operações principais e para adicionar a seu portfólio de mineração metais como o níquel".O FT observa que a oferta apresentada pela Teck vai expirar no dia 16 de agosto, aumentando a possibilidade de novas ofertas de última hora pela Inco. Outro grupo de mineração, Falconbridge, estava envolvido num plano de fusão que envolveria a Phelps e a Inco, mas desistiu dele para fechar um acordo com o grupo suíço Xstrata.

Agencia Estado,

11 de agosto de 2006 | 11h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.