Proposta de Obama pede US$ 1,6 tri em impostos e elevação do teto da dívida

Republicanos viram medidas como um passo atrás nos esforços para tentar solucionar o abismo fiscal

Danielle Chaves,  da Agência Estado,

30 de novembro de 2012 | 11h16

NOVA YORK - O presidente dos EUA, Barack Obama, apresentou uma proposta nas negociações com os republicanos sobre a redução do déficit orçamentário do país que pede um aumento de impostos de US$ 1,6 trilhão, gastos de US$ 50 bilhões em infraestrutura em 2013 e novos poderes para o governo elevar o limite de dívida federal, segundo reportagem do Wall Street Journal. A proposta, porém, foi considerada pelos republicanos como um passo atrás nos esforços para tentar solucionar a questão do abismo fiscal.

A proposta apresentada ontem aos republicanos pelo secretário do Tesouro, Thimothy Geithner, pede um aumento nos impostos para quem tem renda acima de US$ 250 mil. Em troca, o governo propõe adiar por um ano cerca de US$ 110 bilhões em planejados cortes de gastos com defesa e programas domésticos e economizar cerca de US$ 400 bilhões com o Medicare e outros programas durante os próximos 10 anos.

Hoje Obama irá à Pensilvânia para visitar uma fábrica de brinquedos e continuará pressionando os republicanos a permitirem um aumento nos impostos para os mais ricos. Sob os planos do presidente, cerca de US$ 1,0 trilhão seria levantado nos próximos 10 anos com o encerramento dos alívios fiscais da era Bush para os mais ricos. Outros US$ 600 bilhões seriam levantados por meio de uma série de mudanças no código fiscal, incluindo limites para esses alívios fiscais.

Mas um dos elementos que mais chamaram a atenção dentro do plano da Casa Branca foi o pedido para que o Congresso abra mão do seu poder de elevar o limite de endividamento do país, o que é uma fonte de conflitos políticos. Em 2011 uma disputa sobre a elevação do teto da dívida provocou um rebaixamento do rating do governo norte-americano.

O atual limite de dívida dos EUA é de US$ 16,394 trilhões e o governo já acumula US$ 16,244 trilhões em endividamento. Ontem o Escritório de Orçamento do Congresso (CBO, na sigla em inglês) afirmou que esse limite pode ser atingido em fevereiro ou março de 2013.

Os republicanos não apresentaram uma oferta comparável, mas indicaram disposição para aceitar US$ 800 bilhões em receitas durante os próximos 10 anos, metade do valor proposto por Obama. Em troca das concessões com relação aos impostos, porém, os republicanos querem muito mais cortes de gastos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Abismo fiscalObamaEstados Unidoscrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.