Proposta prevê que União fique com R$ 8 bi de royalties

Modelo do senador Wellington Dias (PT-PI) prevê que os Estados produtores de petróleo recebam R$ 12 bilhões

KARLA MENDES / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2011 | 03h04

Tomando por base a declaração do próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que o governo precisa de, no mínimo, uma receita de R$ 8 bilhões proveniente de royalties, o senador Wellington Dias (PT-PI) apresentou uma proposta que prevê a distribuição da receita do petróleo em 2012 da seguinte forma: R$ 8 bilhões para a União, R$ 12 bilhões para os Estados produtores e mais outros R$ 8 bilhões que iriam para o fundo especial, o fundo para compensar Estados e municípios não produtores.

"Se o governo fechar em R$ 8 bilhões, será possível chegar a um acordo para evitar a votação do veto (da emenda Ibsen), mesmo que o Rio de Janeiro não concorde", disse o senador à reportagem do Estado. Segundo Dias, a União, que recebeu R$ 8,5 bilhões de royalties em 2010, tem previsão de abocanhar cerca de R$ 11 bilhões neste ano.

Essa divisão elaborada pelos parlamentares, que está sendo relatada pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), além de reduzir em cerca de R$ 3 bilhões a parte destinada à União em royalties e participação especial, retira do bolo as receitas oriundas de novos poços que entrarão em operação no período, que, segundo Dias, representam 250 mil barris diários e uma renda de R$ 3 bilhões anuais. A conta também considera que os Estados produtores abram mão de royalties de poços que não são explorados atualmente, o que geraria uma receita de cerca de R$ 1,2 bilhão. "Todo mundo vai ter de abrir mão. O grande trabalho será como desenhar essas alíquotas entre os Estados, sem deixar ninguém perdendo mais que os outros", disse Dias.

O governo tenta fechar um acordo a fim de evitar que os Estados não produtores de petróleo se unam para derrubar, no Congresso, o veto imposto em 2010 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Emenda Ibsen. A emenda determina que os royalties sejam distribuídos sem distinção entre produtores e não produtores, segundo critérios dos fundos de participação dos Estados e dos municípios. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), já avisou o governo que, se não for aprovado um novo projeto, o veto à Emenda Ibsen será apreciado no dia 5 de outubro. Se cair, o Palácio do Planalto prevê uma batalha jurídica no STF.

"Caso o veto seja derrubado, nós vamos para a Justiça e achamos que ganhamos", avalia o senador Lindbergh Faria (PT-RJ). Segundo ele, uma alternativa para o acordo seria aumentar a participação especial paga pelas empresas petroleiras. "A proposta do governo centraliza as receitas nas mãos da União e estimula uma guerra federativa. Não vamos aceitar que o Rio seja esmagado." / COLABORARAM TÂNIA MONTEIRO E VERA ROSA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.