Proposta salarial não reduz benefícios, afirma Petrobrás

A Petrobrás afirmou ontem que a proposta apresentada aos trabalhadores na sexta-feira não vai retirar direitos trabalhistas. “A proposta de reajuste salarial mantém inalterados todos os benefícios pagos aos empregados, não havendo qualquer redução prevista”, disse a empresa, em nota. “A proposta se baseia em instrumentos legais já em vigor que estão sendo usados por diversas empresas brasileiras como forma de preservar empregos num momento de dificuldade econômica.”

O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2016 | 05h00

O plano apresentado pela petroleira na negociação do acordo trabalhista prevê o congelamento da remuneração básica e reajuste de 4,97% na tabela de gratificações (que, em alguns casos, chegam a superar o próprio salário-base). Mas esse aumento só valeria para quem ganha até R$ 9 mil. Acima disso, haveria um aumento fixo de R$ 447. A estatal também propôs aos servidores administrativos a opção de reduzir de oito para seis horas diárias a jornada de trabalho (ou de 40 para 30 horas semanais), com corte de 25% nos salários. O pacote inclui ainda a proposta de reduzir à metade o valor pago pelas horas extras trabalhadas em dias úteis.

Essas mudanças já haviam sido apresentadas pela Petrobrás em 2015, mas acabaram sendo revistas após uma greve de 20 dias dos empregados.

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.