Prorrogado prazo para reserva do fundo de índice na Bovespa

Termina hoje o prazo para o investidor fazer seu pedido de reservas de cotas do Papéis Índice Brasil Bovespa (PIBB), o primeiro fundo de índice de ações a ser negociado em Bolsa no País. O prazo final vencia ontem, mas a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) informou ontem, no final do dia, que o prazo seria dilatado em mais 24 horas.Criado em parceria entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e os bancos Itaú, Itaú BBA, Goldman Sachs e JP Morgan, o PIBB é composto pelas 50 ações mais negociadas na Bolsa de São Paulo. Segundo o presidente da Bolsa, Raymundo Magliano Filho, o fundo tem por objetivo favorecer o pequeno investidor.A aplicação mínima, por meio de bancos e corretoras, será de R$ 300 e a taxa de administração, de 0,059%, a menor cobrada no mundo nesse segmento de fundos, de acordo com a Bolsa paulista. Magliano explica que o PIBB é formado por ações da BNDESPar e sua carteira reproduz a composição do Índice Brasil 50 (IBrX-50), com as 50 ações mais negociadas na Bovespa.Outra importante característica do PIBB, de acordo com Magliano, é a garantia de recompra oferecida pelo BNDES ao investidor, pessoa física, que aplicar até R$ 25 mil no seu primeiro ano de existência. Se o IBrX-50 acumular perda nos 12 meses seguintes à oferta do fundo no mercado, o investidor poderá revender suas cotas à BNDESPar pelo mesmo valor nominal investido no momento do lançamento. "Mas a garantia de recompra só é prevista para quem permanecer com a aplicação por, no mínimo, um ano", alerta o presidente da Bovespa. OfertaAs cotas poderão ser adquiridas de forma direta ou indireta. Na modalidade direta, o valor da aplicação varia de R$ 1 mil a R$ 250 mil, mas a garantia de recompra pelo BNDES se limita ao valor de R$ 25 mil. Para fazer a compra de cotas, o investidor deverá entrar com o pedido de reserva em uma corretora ou em um banco participante do lançamento do fundo. Na forma indireta, o investidor poderá adquirir as cotas do PIBB por meio de Fundos de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (FITVMs), que estão disponíveis na renda bancária. Nesse caso, o valor da aplicação varia de R$ 300 a R$ 25 mil, com opção de venda à BNDESPar no fim de um ano, e de R$ 300,00 a R$ 225 mil, sem opção de venda. Para aplicar, o investidor terá de optar entre a forma direta ou indireta, não podendo investir nas duas modalidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.