Nelson Andrade
Nelson Andrade

Protestos de caminhoneiros mantêm Régis interditada nesta quarta

De acordo com a Arteris Régis, concessionária que administra a pista, manifestantes atearam fogo em pneus, interrompendo o tráfego na região de Embu das Artes, região metropolitana de SP

Jéssica Otoboni e Marina Dayrell, O Estado de S.Paulo

23 Maio 2018 | 04h20
Atualizado 23 Maio 2018 | 11h47

SÃO PAULO - A rodovia Régis Bittencourt (BR 116) permanece com trechos de interdição nesta quarta-feira, 23, em razão dos protestos de caminhoneiros contra os sucessivos aumentos nos preços do diesel.

+ Perguntas e respostas sobre a manifestação dos caminhoneiros

+ Governo vai zerar Cide para reduzir preço do diesel, mas protestos devem continuar

De acordo com a Arteris Régis, concessionária que administra a pista, manifestantes atearam fogo em pneus, interrompendo o tráfego em Embu das Artes, região metropolitana de São Paulo, do km 282 ao 280, sentido capital. Também há interrupções em Itapecerica da Serra, do km 285 ao 280, sentido SP.

+ Veja como foi o segundo dia de protesto dos caminhoneiros

+ O que motivou os protestos? O que os caminhoneiros querem? Entenda

Há as interdições nos dois sentidos da rodovia que liga São Paulo ao Paraná. Na região de Jacupiranga, litoral sul de São Paulo, o tráfego permanece interditado por sete quilômetros no sentido Curitiba, entre os km 470 e 477. No sentido São Paulo, a interdição é de um quilômetro, entre os trechos 478 e 477.

Nos arredores de Miracatu, também no litoral sul, o trânsito está interditado entre os km 383 e 385, no sentido Paraná.

Na terça-feira, outros trechos da rodovia foram interditados pelos protestos que atingem todo o País desde segunda. Ainda não há prazo para o fim das manifestações.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), até a noite de terça, foram registradas interrupções em seis rodovias federais de 23 Estados, mais o Distrito Federal. Os únicos que ainda não foram afetados pelas manifestações são Acre, Amapá e Rio Grande do Norte.

O anúncio dos protestos foi feito na sexta-feira, motivado pelos reajustes diários no preço do diesel, que nos últimos 12 meses, subiu 15,9% no posto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.