Protesto em Lisboa ao som de Michel Teló

Nova versão ganha título de 'Ai, não nos calam'

O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2012 | 03h01

Toda revolução é embalada por uma canção que acaba marcando o movimento. Assim foi na França para derrubar o antigo regime, na Espanha na Guerra Civil e na revolução dos Cravos em Portugal nos anos 70, que chegou a inspirar até Chico Buarque. Mas no século 21, os organizadores das marchas contra a austeridade em Portugal resolveram inovar. Para convocar o maior protesto contra a política de cortes de salários sindicatos e entidades apelaram para o hit de Michel Teló, "Ai, Se Eu te Pego", sucesso nas rádios europeias.

O hit, que ganhou versão mais engajada - "Ai, Não Nos Calam" - e está na internet, embalou manifestação que reuniu 300 mil pessoas em Lisboa no sábado passado. Foram vários ajustes para fazer a letra contestatória. Na primeira frase, o ajuste: "Sábado, na manif (diminutivo de manifestação)". Depois, outra pérola: "E não há coisa mais linda que a coragem do povo a lutar". Os organizadores consideram a canção um hino à "luta contra o desemprego, precariedade, baixos salários e a política de austeridade que recai sobre os trabalhadores". / J.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.