Protesto paralisa porto de Paranaguá por seis horas

O Porto de Paranaguá ficou fechado hoje, das 7 às 13 horas, em um protesto organizado pela Intersindical, entidade que reúne 12 categorias de trabalhadores que prestam serviço na faixa portuária. Uma pauta de reivindicações com seis páginas foi entregue à administração do porto, que prometeu analisá-la e dar uma resposta. Caso não tenham sucesso, os trabalhadores prometem uma paralisação de 12 horas e, posteriormente, uma greve por tempo indeterminado. A Intersindical alega que a privatização de parte do porto vem trazendo prejuízo para os trabalhadores, que atuam no porto público. "Não se reivindica mais os trabalhadores", disse o secretário do Sindicato dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários de Paranaguá, Sérgio Scremin. Segundo os manifestantes, as vagas que antes eram ocupadas por trabalhadores locais foram cobertas por empresas de fora, prejudicando inclusive o comércio de Paranaguá. A assessoria de Imprensa do porto informou, no início da tarde, que não houve prejuízo para a administração, que apenas adiou o recebimento dos valores devidos. Para os navios que estavam no corredor de exportação, a movimentação foi normal. Os problemas maiores foram para cinco navios de cargas gerais e fertilizantes. Por trabalharem dentro de horários pré-estabelecidos, os navios que carregam contêineres são os mais prejudicados e seus armadores podem perder US$ 20 mil com cada dia parado. Cerca de mil caminhoneiros também foram impedidos de descarregar durante a manifestação.

Agencia Estado,

27 de maio de 2002 | 16h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.