Protestos causam prejuízo diário de R$ 1 milhão para ALL

A América Latina Logística (ALL) está deixando de transportar, desde segunda-feira, cerca de 25 mil toneladas de grãos diariamente para os portos de Paranaguá, no Paraná, e São Francisco do Sul, Santa Catarina, por causa do bloqueio ferroviário iniciado na segunda-feira por agricultores do norte e noroeste do Paraná. A empresa estima um prejuízo diário de R$ 1 milhão. O escoamento de grãos da região oeste, um dos pólos de produção de grãos do Estado, está sendo feito normalmente, segundo a ALL. Devido ao bloqueio, o abastecimento do pool de combustíveis de Londrina foi suspenso nesta quarta-feira. Mais de 400 vagões estão parados no pátio de manobras de Apucarana e uma composição inteira, carregada de grãos, está bloqueada no centro de Maringá, que é cortado pela ferrovia. Apesar da liminar concedida pela Justiça, os agricultores mantêm o bloqueio em Maringá, onde o protesto teve início. A liminar foi concedida pela 3ª Vara Cível e prevê uma multa diária de R$ 50 mil se for - como está sendo - desrespeitada.Pontos de bloqueioA ALL registra três pontos de bloqueio no Estado: em Maringá, na vizinha Marialva - onde a Justiça também ordenou a liberação dos trilhos - e em Cambé. O bloqueio em Cambé foi iniciado na manhã desta quarta-feira depois que os agricultores, que interditaram a ferrovia em Rolândia durante 24 horas, concordaram em acatar a determinação da Justiça, que havia ordenado a liberação dos trilhos. Mas, ao invés de se dispersarem, transferiram o protesto para a cidade vizinha. Segundo a assessoria de imprensa da ALL, a empresa recorreu novamente à Justiça e acionou a Polícia Federal.AquisiçãoA ALL anunciou na terça-feira a aquisição das malhas da Brasil Ferrovias e Novoeste, que opera nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo, consolidando sua liderança no setor e ampliando sua frota para 960 locomotivas e 27 mil vagões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.