Protestos contra o G-8 acabam em violência na Suíça

Dezenas de milhares de manifestantes saíram às ruas de cidades suíças para protestar contra a cúpula do G-8, que está ocorrendo em Evian, na França, perto da fronteira com a Suíça. Alguns dos ativistas entraram em confronto direto com policiais e outros quebraram e saquearam lojas e postos de gasolina. A polícia respondeu com gás lacrimogêneo, jatos de água e balas de borracha, em choques que entraram noite adentro.Policiais alemães enviados à Suíça para reforçar as polícias locais confrontaram centenas de militantes na noite de domingo no centro de Genebra. As ruas ficaram cobertas de vidro quebrado e fumaça. Um ativista inglês foi hospitalizado com múltiplas fraturas e pelo menos outras dez pessoas ficaram feridas. Seis pessoas foram presas em Lausanne e 30 em Genebra.Segundo a polícia, o número de ativistas na Suíça e na França chegou a 50 mil. Eles conseguiram bloquear estradas nos dois países, durante horas, mas não tiveram sucesso quando tentaram furar o bloqueio em torno de Evian. As causas dos militantes variam. Foram feitas manifestações contra a globalização, a favor da preservação do meio ambiente, pró perdão da dívida do Terceiro Mundo e contra os alimento transgênicos. Os países do G-8 (os sete mais ricos mais a Rússia) são acusados de tirar proveito da pobreza do terceiro mundo.A maioria das manifestações foi pacífica. A violência irrompeu principalmente à noite. Em Lausanne, manifestantes chegaram a erguer barricadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.