-15%

E-Investidor: como a queda do PIB afeta o mercado financeiro

Província japonesa vai financiar volta de brasileiros desempregados

Governo de Gifu destina US$ 980 milhões para projeto que prevê a compra de até 700 passagens para o Brasil.

Ewerthon Tobace, BBC

12 de março de 2009 | 13h24

Brasileiros desempregados e sem condições financeiras para se manter no Japão poderão ser beneficiados com uma passagem de volta ao Brasil. A iniciativa é do governo de Gifu, província localizada na região central do arquipélago e que concentra a quarta maior população de imigrantes brasileiros no país - são quase 20 mil.Cerca de US$ 980 milhões foram destinados ao projeto, que prevê a compra de até 700 passagens para o Brasil. "É, na verdade, um financiamento destinado às pessoas que querem ir embora mas não têm recursos, ou àquelas que conseguiram juntar apenas um mínimo de dinheiro para recomeçar a vida no Brasil", explicou à BBC Brasil Yutaka Nita, responsável pelo Departamento de Relações Internacionais da Província de Gifu.O limite máximo do empréstimo é de cerca de US$ 5,8 mil por família. Mas como o dinheiro será usado exclusivamente para a compra da passagem, a pessoa que conseguir a ajuda vai receber apenas o bilhete e não o dinheiro.O valor será custeado pela Caixa de Crédito dos Trabalhadores de Tokai, uma instituição financeira da região, e o beneficiado terá até cinco anos para saldar a dívida, com juro de 1,5% ao ano. Nita explicou que o beneficiado terá de fazer remessas para o Japão mensalmente e o valor mínimo das parcelas será de US$ 100."Estamos bastante preocupados com a inadimplência, mas já estamos estudando formas de garantir o retorno do dinheiro emprestado", garantiu o japonês, sem entrar em detalhes.Para ter direito ao empréstimo é necessário preencher alguns requisitos, como ter nacionalidade brasileira, ser morador da província há pelo menos sete meses, estar desempregado, não ter dinheiro depositado em banco ou outros bens e ter dependentes.O primeiro embarque está previsto para o dia 29 deste mês. Os brasileiros que conseguirem a ajuda terão de voltar ao Brasil até 24 de abril.Nita destacou ainda que o objetivo do governo com esse projeto não é mandar os brasileiros embora. "Esta é apenas uma das iniciativas para ajudar os desempregados da província. Não queremos ver os brasileiros virarem sem-teto, sem condições de se manter no país", disse ele. "Além disso, eles poderão voltar para cá assim que as coisas melhorarem", emendou.A grande maioria dos brasileiros demitidos na província de Gifu trabalhava em fábricas de autopeças e de eletrônicos. Foram justamente estes os setores mais afetados pela crise econômica no país e os primeiros a demitir levas de funcionários no final do ano passado.Segundo dados oficiais do governo local, cerca de 3 mil brasileiros estão recebendo o seguro-desemprego. No entanto, os sindicatos locais calculam que o número de desempregados estrangeiros é bem maior, pois uma grande parte não tem acesso aos benefícios sociais. No Japão todo, segundo o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos, cerca de 50 mil brasileiros estão parados.Kátia Pellosi, de 28 anos, é uma das que não conseguem mais colocação no mercado de trabalho. Ela está parada desde novembro do ano passado. O marido, Sandro Luís do Espírito Santo, 28, cumpre aviso prévio até a semana que vem. Sem perspectiva de melhora da situação, o casal entregou o apartamento, vendeu o que conseguiu e foi morar com os pais de Kátia. Há dois anos no Japão, os dois não fizeram poupança e agora recorrem à ajuda da província. "Nossa esperança é conseguir essa passagem financiada", disse Sandro.O casal contou que a intenção era morar no Japão por um bom tempo. "Tínhamos uma vida social aqui, compramos móveis e eletrônicos, e até planejávamos ter um filho e criá-lo aqui. Mas por causa dessa situação de desemprego estamos sendo obrigados a voltar", resumiu Kátia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.