Provisões da Caixa Econômica para inadimplência disparam no 2º tri

As despesas feitas pela Caixa Econômica Federal para perdas com calotes dispararam no segundo trimestre, acompanhando aumento dos índices de inadimplência da carteira de crédito que mais cresce entre os grandes bancos do país.

REUTERS

14 de agosto de 2014 | 14h19

O banco controlado pelo governo federal provisiou de abril a junho 3,95 bilhões de reais para perdas esperadas com empréstimos não pagos, 59,4 por cento mais que no trimestre anterior e um salto de 76,3 por cento ante mesma etapa de 2013.

Ainda assim, a Caixa reportou um lucro líquido de 1,88 bilhão de reais no trimestre, alta de 2,7 por cento na comparação com igual intervalo do ano passado.

O resultado foi impulsionado entre outros fatores pelo avanço de 28 por cento da carteira de crédito no espaço de 12 meses encerrado em junho, para 552,1 bilhões de reais.

O destaque foram os empréstimos para pessoas físicas, que evoluíram 31,3 por cento ano a ano, para 90,9 bilhões de reais. Mas esta foi a linha que também mais contribuiu para o aumento da inadimplência da carteira total, que chegou a 2,77 por cento, no maior nível em pelo menos cinco anos.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio foi de 22,1 por cento, considerando os últimos 12 meses.

O índice de Basileia da Caixa estava em 13,3 por cento no fim de junho, frente aos 11 por cento mínimos exigidos pelo Banco Central.

(Por Aluísio Alves)

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSCAIXARESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.