Próxima do fim, negociação da dívida agrícola dará alento--CNA

A renegociação da dívida agrícola,que prevê prazos mais extensos e juros menores para um montantede cerca de 66 bilhões de reais, está próxima de ser finalizadae dará um alento aos agricultores brasileiros para a próximasafra, disse o presidente da Comissão de Endividamento daConfederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), HomeroPereira. Após se encontrar nesta segunda-feira com o ministro daAgricultura, Reinhold Stephanes, Pereira afirmou que o governoapenas aguarda o retorno do ministro da Fazenda, Guido Mantega,em viagem aos Estados Unidos, para fechar o pacote darenegociação. "Ele (o ministro) nos adiantou que a negociação estápraticamente fechada. Ele está aguardando o Guido chegar, parapoder fechar essa questão da Medida Provisória, essa semana agente acaba", declarou Pereira, por telefone. O montante da renegociação deverá ficar cerca de 10 bilhõesde reais acima do que o governo ofereceu inicialmente -- quandocomeçaram as negociações no final de março, a oferta era de56,2 bilhões de reais. Mas ainda assim o montante fica abaixo do valor total dadívida, estimado pela área econômica do governo em 87,5 bilhõesde reais. O passivo está acumulado desde os anos 1990. "Obviamente queríamos que as medidas fossem um pouco maiscontundentes... mas foi dentro do que o governo pôde acenar...,então resolvemos não ficar intransigentes", explicou odirigente da CNA, que também é deputado federal pelo MatoGrosso. Segundo ele, a renegociação da dívida, somada aos bonspreços das commodities, permitirá que o setor dê uma"respirada". No entanto, ele afirmou que ainda é cedo para se falar emampliação do plantio na próxima safra, uma vez que os custos deprodução também estão aumentando, seguindo os preços dosprodutos agrícolas. "Ninguém fala em aumento de área, os custos se elevarammuito e, com a crise mundial de restrição de crédito, acho queninguém pode fazer previsão sobre aumento de área ainda não." Segundo Pereira, a maior parte da regulamentação darenegociação da dívida deverá ser feita via Medida Provisória.Outros itens dependem apenas de resoluções do ConselhoMonetário Nacional (CMN). "Vamos ver se fechamos isso amanhã (terça-feira), pelojeito está praticamente acertado, pelo jeito eles vão acatar assugestões que colocamos", acrescentou Pereira. Veja no link abaixo detalhes do que já está definido para arenegociação da dívida, de acordo com a CNA. http://www.cna.org.br/site/down_anexo.php?q=E15_19450pontosdaproposta.pdf

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.