Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Próximo desembolso dos R$ 600 terá filas 'mais ordenadas', diz presidente da Caixa

Pedro Guimarães anunciou que os pagamentos serão feitos em dias escalonados para diminuir aglomerações

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2020 | 16h46

BRASÍLIA - O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que o calendário da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 está em discussão com o presidente Jair Bolsonaro e será anunciado "muito em breve", com foco no combate às filas nas agências. Guimarães prometeu que na próxima etapa as "filas serão mais ordenadas", mas não garantiu acabar totalmente com as aglomerações durante a pandemia. "Dizer que a fila será zero é uma impossibilidade matemática", disse durante audiência pública da Comissão Mista de Acompanhamento de gastos com a covid-19, por videoconferência. 

Segundo Guimarães, a próxima etapa de pagamentos será "muito mais equilibrada" do que a anterior. Ele reforçou que a ordem continuará a ser feita de acordo com o mês de aniversário do trabalhador, mas, agora, será "em dias escalonados para não ter todo mundo na agência como aconteceu até duas semanas atrás". 

"Nós já reduzimos drasticamente ou terminamos as filas nos últimos sete dias. Certamente é algo muito importante, um foco para a segunda parcela, não posso adiantar (detalhes) porque estamos fechando ainda com o presidente da República. Vamos anunciar muito em breve", disse o presidente da Caixa aos parlamentares. 

Diante das notícias de pessoas que chegam a dormir na fila para conseguir o auxílio emergencial durante a pandemia, Guimarães responsabilizou a "mídia" por "muitas vezes criar algo que não existe". Ele reconheceu que inicialmente o pagamento do auxílio foi mais "intenso", mas diz que as filas foram reduzidas drasticamente desde a semana passada. 

"Não tem fila mais. E isso não é ontem, não, é desde quarta-feira da semana passada quando estávamos pagando, sim. E, mesmo na semana passada, as filas terminavam 10h, 11h, 12h. São 4.200 agências. E, certamente, você vai ter 10, 20, 30, 50, 100 (agências) em que acaba 13h, 14h. Não é nem de perto uma situação em que as pessoas não vão receber (o auxílio). Se nós não falarmos a realidade fica difícil", declarou.

Inicialmente, o governo afirmou que o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial estava previsto entre os dias 27 e 30 abril. Depois, prometeu antecipar o pagamento, mas voltou atrás sobre a antecipação. O novo calendário para a liberação do benefício ainda não foi divulgado. 

Em sua apresentação, Guimarães destacou que, até o momento, houve mais de 20 milhões de transações financeiras através da poupança social digital, criada como opção gratuita e isenta de cobrança de tarifas de manutenção para aqueles que querem receber o auxílio. Dessas transações, mais de 7 milhões ocorreram por meio de saque.

Na visão do presidente da Caixa, o número daqueles que optaram pelo saque do auxílio em espécie mostra "o público mais carente". "São as pessoas que precisam de auxílio mesmo para o saque. Temos 7 milhões de pessoas que irão, sim, para as agências", disse em referência às filas.

Guimarães afirmou que o Ministério da Cidadania deve receber dados da Dataprev entre hoje e amanhã a resposta com a análise dos pedidos de auxílio para mais de 17 milhões de brasileiros. "Alguns poderão ser pagos, outros terão (o pedido) negado por algum motivo e alguns precisarão de mais tempo para análise", disse. "Assim que recebermos da Dataprev e do Ministério da Cidadania, precisaremos de dois dias para efetuar o pagamento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.