AP
AP

Próximo leilão de petróleo e gás terá regras simplificadas, afirma ANP

Segundo a presidente da ANP, Magda Chambriard, serão exigidos menos documentos durante a fase de qualificação dos interessados

ALTAMIRO SILVA JUNIOR, ENVIADO ESPECIAL, Estadão Conteúdo

06 Maio 2015 | 15h17

HOUSTON - Os interessados em participar do leilão da 13ª Rodada de Licitações da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) terão regras mais simples do que as fixadas em rodadas anteriores, com a exigência de menos documentos na fase inicial, afirmou a diretora da instituição, Magda Chambriard. "Este ano teremos um inovação na etapa de qualificação", disse para um auditório de investidores do setor nesta quarta-feira, 6, onde apresentou mais detalhes de como será o leilão, marcado para o dia 7 de outubro no Rio de Janeiro.

Até a última rodada, para o interessado manifestar interesse, ressaltou a diretora, havia a necessidade de uma qualificação extensa a seguir, com inúmeros documentos. "Este ano vamos usar uma qualificação mais simplificada." Só na 11ª rodada, ressaltou a diretora, a ANP teve que analisar 3 mil documentos.

Agora, a ANP vai exigir todos os documentos apenas para os vencedores da oferta. Com isso, o objetivo é ter uma pré-qualificação sem tantos documentos, que serão exigidos em seu conjunto apenas para os vencedores. Assim se reduz o tempo tanto para o participante como para a análise da ANP, além de gastos com a preparação dos papéis pelos interessados.

Pré-sal. Na mesma apresentação, Magda falou de oportunidades em três áreas no pré-sal, Pau Brasil, Saturno e Peroba. O pré-sal já produz 28% da produção de petróleo do País, ressaltou ela, e um novo leilão deve ocorrer até 2017.

Magda Chambriard fez na manhã desta quarta-feira uma palestra em um evento na Câmara de Comércio Brazil-Texas (Bratecc), paralelo à Offshore Technology Conference (OTC), maior feira de petróleo do mundo, que reúne 108,3 mil pessoas em Houston, no Texas, Estados Unidos.

Mais conteúdo sobre:
petróleo leilão ANP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.