Próximo reajuste de combustível será informado a FHC

O ministro de Minas e Energia, José Jorge, disse hoje que haverá aumento no preço dos combustíveis, mas que o porcentual ainda será comunicado ao presidente Fernando Henrique Cardoso. "A idéia do presidente não é bloquear o aumento, mas que sejam revistas as contas", disse o ministro, referindo-se ao episódio da última sexta-feira, quando o presidente suspendeu o aumento de 2,2%, anunciado pela Petrobrás. O ministro explicou que desde de janeiro não existe mais o controle dos preços dos combustíveis, pelo governo. "Na realidade, o preço agora é livre e varia de acordo com o preço no mercado internacional e com o valor do dólar em relação ao Real", afirmou. O ministro lembrou que com a liberação do mercado no início deste ano, a Petrobrás decidiu reduzir em 25% o preço dos combustíveis para as refinarias, mas que a partir daí houve o aumento do preço no mercado internacional e da cotação do dólar em relação ao Real, exigindo um novo reajuste. "Passou a ser uma operação comercial e a Petrobrás vai ter a concorrência de outros operadores", observou o ministro. Segundo ele sempre que houver variação no preço do combustível no mercado internacional e na cotação do dólar haverá reflexo, para mais ou para menos, no preço do mercado interno. "A oferta e a demanda é que vão determinar o preço. O combustível passa a ser como um outro produto qualquer e não mais controlado pelo governo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.