MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Prumo tenta atrair petroleiras

Empresa planeja construir no Terminal 1um cais para transbordo de 1,2 milhão de barris de petróleo diários

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2015 | 02h03

Mesmo com o fim das obras de base, as construções no Porto do Açu não devem parar. A Prumo pretende montar um polo de reparo para até quatro sondas no Terminal 2 e prepara, no Terminal 1, um cais para transbordo de 1,2 milhão de barris de petróleo diários. A empresa negocia contratos com petroleiras no intuito de executar as primeiras operações em 2016.

O chamado TOil receberá três pares de navios por vez. O transbordo será mais caro, mas a Prumo espera ganhar mercado oferecendo uma operação mais segura que a realizada em alto-mar. O plano prevê a instalação de um oleoduto de 6 km no Terminal 1 até 2018, ao lado do mineroduto operado pela Anglo American. Ele levará o petróleo da Bacia de Campos até um parque de tancagem no Açu.

O presidente da Prumo, Eduardo Parente, explica que projetos como esse terão que se "autofinanciar". Para isso, a companhia acaba de criar a Açu Petróleo, quarta empresa independente sob seu guarda-chuva. Ela terá capacidade de buscar financiamentos à medida em que feche contratos firmes. Também pode buscar um sócio, assim como suas "irmãs" Porto do Açu, Ferroport e BP-Prumo.

Sociedade com a Anglo, a Ferroport gera uma receita anual de US$ 200 milhões - 50% para a Prumo - referente ao contrato de embarque de 26,5 milhões de toneladas anuais de minério. Uma captação de recursos por meio da Ferroport não está descartada.

No meio do ano será a vez da joint venture com a BP iniciar a distribuição de bunker. Considerando os R$ 650 milhões do recente aumento de capital realizado pela Prumo, mais R$ 80 milhões em receitas de aluguel e os recursos aprovados pelo BNDES, Eduardo Parente acredita que as operações devem sustentar a companhia ao longo de 2015 e 2016. E vai além. Num prazo de dez anos, ele espera que entre 40 mil e 60 mil pessoas estejam trabalhando no complexo, que até lá, segundo ele, deve estar a todo vapor.

Mais conteúdo sobre:
Prumo Logística petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.