finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

PSOL, PSTU e Conlutas protestam na reunião do G-20 em SP

Manifestação, porém, foi fraca; no auge, os militantes conseguiram reunir 20 pessoas contra crise financeira

Paulo Justus, de O Estado de S. Paulo,

08 de novembro de 2008 | 13h17

                                                                                                                        Tiago Queiroz/AE   Uma manifestação fraca tentou chamar a atenção do público durante a abertura oficial do encontro do G-20 financeiro, na manhã deste sábado. O protesto ocorreu do lado de fora do Hilton Hotel e foi organizado pela Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas), pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). No auge do manifesto, 20 militantes protestavam contra a crise mundial e o auxílio que os governos dão aos bancos.   A organização do movimento creditou o pequeno número de manifestantes às poucas informações que tiveram sobre o encontro. "Não sabíamos quando ocorreria essa reunião e demoramos para saber o local do evento", disse Miguel Carvalho, presidente estadual do PSOL.   Os desfalques de última hora também enfraqueceram o protesto. O Movimento Social dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) deveria engrossar o número de manifestantes, mas teve um problema com o ônibus que traria os 45 militantes mobilizados.   O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), que havia confirmado a presença na quinta-feira, desistiu de comparecer no protesto. "O MST vai concentrar os esforços para o dia 20, quando Bush deve vir ao Brasil", informou Pedro Simões, secretário-geral do PSOL que estava na manifestação.   Segundo Sérgio Koei, militante do PSTU, os protestos estão mais difíceis. "O problema é que a CUT, que antes ajudava os movimentos, está lá dentro", disse.   Durante o protesto, alguns manifestantes dividiram uma lata de Coca-Cola. Tomaram o cuidado de esconder o logotipo com a mão. Eles seguravam a faixa "Crise: uma fatura dos bancos e não dos trabalhadores". O protesto terminou às 11h30, logo depois que o helicóptero de Lula deixou o local.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUAG-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.