Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Putin descarta Estado forte contra a crise

Primeiro-ministro russo adverte para tentação de recorrer ao protecionismo, e cita exemplo da URSS

Rolf Kuntz, O Estadao de S.Paulo

29 de janeiro de 2009 | 00h00

É preciso evitar a excessiva intervenção na economia, assim como a "fé cega na onipotência do Estado", disse ontem o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin. O aumento da intervenção em tempos de crise é uma reação natural, disse Putin, mas alguns são tentados a levá-la ao extremo. "No século 20", continuou, "a União Soviética tornou absoluto o poder do Estado. A longo prazo, isso tornou a economia totalmente ?incompetitiva? e essa lição nos custou caro". "O espírito de livre empresa, incluído o princípio de responsabilidade pessoal dos empresários, investidores e acionistas por suas decisões,vem sendo erodido nos últimos meses. Não há razão para acreditar que podemos obter resultados melhores desviando a responsabilidade para o Estado."Os governos, advertiu Putin, devem também evitar a tentação de cair no protecionismo comercial. Algum protecionismo será inevitável, admitiu, mas "todos devem mostrar um senso de proporção". Putin chamou a atenção, também, para o risco de medidas populistas e de gastos fiscais injustificáveis. O aumento irresponsável do déficit orçamentário e a acumulação de dívida pública são "tao destrutivos quanto as aventuras no mercado de ações". Na agenda positiva, o primeiro-ministro russo recomendou a liquidação dos ativos podres e a limpeza dos balanços das instituições financeiras, ainda que esse trabalho seja "extremamente doloroso". Sem a limpeza dos balanços, advertiu, a crise se prolongará. Em segundo lugar, é hora de abandonar o dinheiro virtual, as demonstrações financeiras exageradas e as classificações duvidosas. É preciso, recomendou, voltar a avaliar as empresas com base em sua capacidade de agregar valor na produção de bens e serviços. Abandonar a excessiva dependência de uma única moeda de reserva (o dólar) foi a terceira recomendação. Quarto ponto: países que emitem moedas de reserva devem implementar políticas monetárias mais transparentes e seguir regras internacionalmente reconhecidas de disciplina macroeconômica e financeira (nova referência aos Estados Unidos). "Em nossa opinião, este pedido não é excessivo", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.