Puxada por ações da Vale, Bovespa sobe 1,4%

A potente recuperação das ações daVale, turbinada pela melhora dos mercados de Wall Street, puxouo principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo para cimanesta segunda-feira. Depois de ter chegado a superar 3,5 por cento de alta, oIbovespa murchou na última hora de negócios, fechando comavanço de 1,4 por cento, aos 59.812 pontos. O giro financeirofoi de 4,8 bilhões. A onda compradora de ações na Bovespa teve como pano defundo o otimismo das bolsas nova-iorquinas com o aumento daoferta do JP Morgan pelo Bear Stearns, de 2 para 10 dólares poração, e o com o aumento das vendas de moradias usadas nosEstados Unidos. Ante perspectivas menos pessimistas para a economianorte-americana nos próximos meses, as cotações das commoditiescessaram as perdas, permitindo recuperação das ações deempresas ligadas a esses produtos. No caso das ações preferenciais da Vale, que afundaramjunto com as cotações do minério de ferro na semana passada, areação se traduziu numa alta de 4,75 por cento, a 46,30 reais.Os papéis foram incluídos na lista de preferidos do GoldmanSachs nas Américas. "O mercado percebeu que as baixas da semana passada foramexageradas e voltou às compras", disse Ricardo Tadeu Martins,diretor de pesquisa da corretora Planner. Uma performance melhor do índice foi impedida em partedevido à reação mais tímida das ações da Petrobras, em meio àqueda de 0,9 por cento do preço do barril do petróleo em NovaYork. Os papéis preferenciais da companhia subiram 0,86 porcento, a 70 reais. O destaque negativo do pregão ficou com as açõespreferenciais da Cesp, que afundaram 10,6 por cento, cotadas, a38,79 reais. Para profissionais do mercado, as incertezasrelacionadas à renovação de concessões de hidrelétricas dageradora paulista de energia devem comprometer o resultado doleilão da companhia, marcado para quarta-feira. (Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.