Puxada por blue chips Petrobras e Vale, Bovespa cai 1%

A queda nos preços de commodities fez as ações mais importantes do mercado acionário doméstico puxarem a Bolsa de Valores de São Paulo para baixo. Em sessão mais uma vez volátil, o Ibovespa fechou o dia caindo 1,03 por cento, a 39.536 pontos. O volume financeiro de negócios da sessão somou apenas 3,72 bilhões de reais. Nem chegou a refletir totalmente a pressão negativa de Wall Street, que ampliou a tendência negativa após o encerramento da sessão na bolsa paulista, frente à ameaça da agência Standard & Poor's de cortar o rating AAA da General Eletric. Por aqui, o fiel da balança acabou sendo a derrocada nas cotações de matérias-primas, especialmente do petróleo, que caiu quase 10 por cento, em meio a movimentos especulativos com contratos que vencem na sexta-feira. O principal reflexo desse movimento foi a queda de 3,5 por cento de Petrobras, carro-chefe do Ibovespa, a 23,50 reais. A queda generalizada das commodities também contaminou os negócios com outra blue chip, Vale, que recuou 4,1 por cento, para 25,31 reais. "Esses papéis puxam o índice e é difícil se sustentarem quando os indicadores de suas áreas caem lá fora", disse Ricardo Pinto, operador do Banif Banco de Investimentos. Mesmo antes disso, o humor dos investidores ao redor do mundo já não era dos melhores. Especialmente depois de saberem que o índice de principais indicadores dos Estados Unidos recuou para o menor patamar em quase cinco anos em novembro, em meio à forte a desaceleração econômica do país. O panorama externo negativo também pesou sobre papéis de bancos brasileiros de maior liquidez, que vinham em recuperação nos últimos dias. Itaú caiu 2 por cento, para 29,90 reais. Bradesco cedeu 1,5 por cento, a 25,70 reais. Em contraposição, papéis de empresas concessionárias de serviços públicos, que têm se valorizado nos dias em que os papéis de commodities recuam, mantiveram a escrita. Brasil Telecom Participações foi a melhor do dia, subindo 8,1 por cento, para 20,54 reais. A Anatel pode definir a qualquer momento a autorização de venda da companhia para a Oi, que avançou 3,3 por cento, cotada a 35,44 reais. Surpresa do dia, Embraer subiu 3,56 por cento, para 9,90 reais, mesmo depois de o presidente da companhia, Frederico Curado, ter anunciado que a crise global de crédito está dificultando a venda de novos aviões, o que deve provocar uma queda nos pedidos em 2009.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.