Wenderson Araújo/CNA
Wenderson Araújo/CNA
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

PwC vê fusões e aquisições no setor do agronegócio aceleradas no ano de 2022

Os segmentos de distribuição de insumos, fertilizantes, proteína animal e frutas tendem a ser o alvo

Isadora Duarte, Leticia Pakulski, Augusto Decker e Clarice Couto, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2022 | 04h00

A consolidação das empresas do agronegócio deve se acelerar em 2022, segundo a PwC. “Há tendência de concentração em muitas cadeias do agro, o que nos leva a crer que este ano terá alto volume de transações”, diz Leonardo Dell’Oso, sócio da consultoria no Brasil. Os segmentos de distribuição de insumos, fertilizantes, proteína animal e frutas tendem a ser alvo de fusões e aquisições (chamadas de M&As em inglês). Duas já são de conhecimento público - uma feita pela Lavoro e outra pela Eurochem. Pelo menos outras 5 a 8 M&As estão em andamento - estas sendo assessoradas pela PwC, antecipa Dell’Oso. Devem ser concluídas em três a seis meses e envolvem insumos, reflorestamento e fertilizantes. 

Cenário fortalece apetite por união

A restrição de crédito bancário, a elevada liquidez de fundos de investimento e a capitalização de empresas favorecem o movimento de fusão do setor, diz Dell’Oso. “O agro por si só, pelo crescimento e peso na economia, se torna muito atrativo.”

Tecnologia ganha particular atenção

As agtechs também devem surfar na onda das M&As do agro com apetite de fundos e empresas em incorporar essas tecnologias. “Devemos ver boom de negócios em 2022 e 2023”, observa Dell’Oso. Em paralelo, o segmento tende a prosseguir com a forte expansão dos últimos anos, com o surgimento de novas startups.

Aproveita

A Unigel exportou na última semana 18,5 mil toneladas de amônia pelo Porto de Aratu-Candeias (BA). O volume, recorde, se destina a Madagáscar e África do Sul, mercados que se abrem em momento de escassez de fertilizantes. “Além de se tornar uma empresa relevante no agronegócio, a Unigel também dá um importante passo na integração da cadeia de valor ao produzir amônia”, diz o CEO, Roberto Noronha Santos. O composto químico também é usado na produção de acrílicos.

Deu certo

A mineira Satis, de nutrição vegetal, quer crescer 40% em faturamento neste ano. Em 2021, viu suas vendas avançarem 32%, principalmente com fertilizantes foliares, organominerais e biológicos. É da aposta em produtos já no mercado que vem o otimismo, segundo Endrigo Bezerra, CEO. “Neste ano, queremos atuar também no Paraná, visando à safra 2022/23, além de ampliarmos a atuação no Centro-Oeste e no oeste baiano.”

Reforço

A Satis reforçará o trabalho em café, especialmente nas regiões de Minas Gerais e São Paulo, e em hortifrútis no Nordeste. A fabricante vai destinar R$ 12 milhões para a expansão do seu parque fabril em Araxá (MG), em pesquisa e desenvolvimento, marketing e no aumento da equipe de campo até o fim de 2022. “Este será um dos anos com mais investimento, de 12% a 13% do faturamento”, afirma.

Ganho

O presidente da Embrapa, Celso Moretti, vê espaço para novas tecnologias destinadas à produção de grãos após a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) considerar que variedades de cana-de-açúcar obtidas a partir da edição genômica não são transgênicas. A técnica permite modificar uma sequência do DNA para melhoramento de plantas sem a introdução de um gene retirado de outra planta, caso dos transgênicos. “Podemos fazer soja e milho tolerantes à seca com essa ferramenta”, diz o presidente da Embrapa. 

Mais em conta

A vantagem da edição genômica é uma economia de no mínimo US$ 100 milhões - este é o custo do processo regulatório de aprovação dos transgênicos -, além da perspectiva de aprovação mais rápida. “Vai ser um salto brutal na agricultura brasileira”, avalia Moretti, destacando o potencial de “democratizar o uso de ferramentas biotecnológicas”. A Embrapa tem 208 técnicos atuando com edição genômica juntamente com 23 instituições parceiras.

Na safra, Economia prioriza equalização de taxas

Levantar R$ 2,9 bilhões para equalizar taxas de juros de linhas do Plano Safra é prioridade “zero” do Ministério da Economia, diz Rogério Boueri, subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente da pasta. A contratação de linhas subsidiadas está suspensa após o dinheiro para subsídio das taxas ter acabado com a alta da Selic, para 10,75% ao ano. 

Trimestre positivo para empresas agropecuária

Empresas do agro divulgam balanços e os resultados, no geral, devem ser positivos, diz Thiago Duarte, do BTG Pactual. “Preços das commodities são favoráveis.” O trimestre deve ser “excepcional” para empresas de carne bovina que operam nos EUA, onde consumo e oferta são crescentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.